quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

RESOLUÇÕES PARA 2009 - POR ED RENE KIVITZ

Útil não é quem faz o que os outros acham importante que seja feito, mas quem sempre cumpre a sua vocação. #1 Não assuma compromissos do tipo “vou iniciar uma dieta”, “vou começar alguma atividade física”, “vou terminar o curso de inglês”. Esse tipo de coisa serve apenas para acumular culpa e frustração sobre os seus ombros. Simplesmente comece a fazer o que deve ser feito. #2 Não acredite nesse pessoal que diz que “sem meta você não vai a lugar nenhum”. Pergunte a eles por quê, afinal de contas, você tem que ir a algum lugar. Trate esses “lugares futuros imaginários” apenas como referência para a maneira como você vive hoje – faça valer a caminhada. Se você chegar lá, chegou; se não chegar, não terá do que se arrepender. A felicidade não é um lugar aonde se chega, mas um jeito como se vai. #3 Não pense que você vai conseguir dar uma guinada na vida apenas mudando o seu visual. É a alegria do coração que dá beleza ao rosto, e não a beleza do rosto que dá alegria ao coração. #4 Não faça nada que vá levar você para longe das suas amizades verdadeiras. Amizades levam um tempão para se consolidar e um tempinho para esfriar, pois assim como a proximidade gera intimidade, a distância fragiliza os vínculos. #5 Não fique arrumando desculpas nem explicações para as suas transgressões. Quando cometer um pecado, assuma, e simplesmente diga “fiz sim, me perdoe”. Comece falando com Deus e não pare de falar até que tenha encontrado a última pessoa afetada pelo que você fez. #6 Não faça nada que cause danos à sua consciência. Ouça todo mundo em que você confia, tome as suas decisões e assuma as responsabilidades. Não se importe em contrariar pessoas que você ama, pois as que também amam você detestariam que você fosse falso com elas ou se anulasse por causa delas. #7 Não guarde dinheiro sem saber exatamente para que o está guardando. Dinheiro parado apodrece e faz a gente dormir mal. Transforme suas riquezas em benefícios para o maior número de pessoas. É melhor perder o dinheiro que ocupa seu coração, do que o coração que se ocupa do dinheiro. #8 Não deixe de se olhar no espelho antes de dormir. Caso não goste do que vê, não hesite em perder a noite de sono para planejar o que vai fazer na manhã seguinte. Ao se olhar no espelho ao amanhecer, lembre que com o sol chega também a misericórdia de Deus: a oportunidade de começar tudo de novo. #9 Não carregue mágoas, ressentimentos e amarguras. Leve pessoas. Sendo necessário, perdoe ou peça perdão. Geralmente as duas coisas serão necessárias, pois ninguém está sempre e totalmente certo. Respeite as pessoas que não quiserem fazer a mesma viagem com você. #10 Não deixe de se perguntar se existe um jeito diferente de viver. Não acredite facilmente que o jeito diferente de viver é necessariamente melhor do que o jeito como você está vivendo. Concentre mais energia em aprender a desfrutar o que tem do que em desejar o que não tem. #11 Não deixe o trabalho e a religião atrapalharem sua vida. Cante sozinho. Leia poesias em voz alta. Participe de rodas de piada. Não tenha pressa de deixar a mesa após as refeições. Pegue crianças no colo. Ande sem relógio. Fuja dos beatos. #12 Não enterre seus talentos, nem que seu único tempo para usá-los seja da meia noite às seis. Ninguém deve passar a vida fazendo o que não gosta, se o preço é deixar de fazer o que sabe. Útil não é quem faz o que os outros acham importante que seja feito, mas quem cumpre sua vocação. #13 Não crie caso com a mulher ou com o marido. Nem com o pai nem com a mãe. Nem com o irmão nem com a irmã. Caso eles criem com você, faça amor, não faça guerra. O resto se resolve. #14 Não jogue fora a utopia. Ninguém consegue viver sem acreditar que outro mundo é possível. Faça o possível e o impossível para que esse outro mundo possível se torne realidade. #15 Não deixe a monotonia tomar conta do seu pedaço. Ninguém consegue viver sem adrenalina. Preste bastante atenção naquilo que faz você levantar da cama na segunda-feira: se for bom apenas para você, jogue fora ou livre-se disso agora mesmo. Caso não queira levantar da cama na segunda-feira, grite por socorro. #16 Não deixe de dar bom dia para Deus. Nem boa noite. Mesmo quando o dia não tiver sido bom. Com o tempo você vai descobrir que quem anda com Deus não tem dias ruins, apenas dias difíceis. #17 Não negligencie o quarto secreto onde você se encontra com seu eu verdadeiro e com Deus, ou vice-versa. Aquele quarto é o centro do mundo – o mundo todo cabe lá dentro, pois na presença de Deus tudo está e tudo é. #18 Não perca Jesus de vista. Não tente fazer trilhas novas, siga nos passos do Mestre. O caminho nem sempre será tão confortável e a vista tão agradável, mas os companheiros de viagem são inigualáveis. #19 Não caia na minha conversa. Aliás, não caia na conversa de ninguém. Faça sua própria lista. Escolha bem seus mestres e suas referências. Examine tudo. Ouça seu coração – geralmente é ali que Deus fala. Misture tudo e leve ao forno. #20 Não fique esperando que sua lista saia do papel. Coloque o pé na estrada. Caso não saiba por onde começar, não tem problema. O sábio disse ao caminhante: “Não há caminho; faz-se o caminho ao andar”.

DEUS É FIEL- POR PAVARINI


Início de dezembro de 2007. Após uma campanha repleta de vexames, o Corinthians foi rebaixado para a série B. Torcedores de outros times, humoristas e chargistas fizeram a festa, tripudiando, rindo e faturando com a derrocada corintiana.Se a igreja evangélica fosse um time não sei qual série estaríamos disputando no campeonato. Um rápido retrospecto mostra que a seqüência de resultados ruins parece não ter fim. Da mesma forma que o rebanho cresceu, aumentaram numa escala ainda maior o número de episódios tristes envolvendo o povo de Deus. Levamos goleada na política, apanhamos no meio artístico e tomamos “chocolate” nos púlpitos, para gáudio dos torcedores intolerantes de outros times.Basta espiar a prateleira das livrarias para encontrar impressos diversos indicadores da crise que vivenciamos. Muitos títulos falam da dificuldade de se manter a fé e outros apresentam as experiências de quem optou por interromper definitivamente o relacionamento com Deus. Em revistas, jornais e sites, articulistas desfi(l)am um misto de indignação e decepção. Justíssimas, aliás.A reação dos torcedores do Corinthians diante da crise foi um tanto inusitada. Não conheço ninguém que tenha trocado de time por causa do rebaixamento. Ao contrário, a torcida passou a comparecer às partidas com mais freqüência, gerando neste ano uma receita 45% maior que em 2007. Mesmo com o time na série B, os patrocínios aumentaram 16%. Enquanto nas igrejas alguns fiéis encolhem suas contribuições e diminuem a freqüência como forma pueril de protesto, a média de público nos jogos do Timão aumentou 20% em 2008.Autor de um livro sobre o time alvinegro, o apresentador Serginho Groisman explica o que aconteceu: “Em tempos ruins, a equipe inspira pelo envolvimento da torcida”. Embalado pelo carinho e comprometimento da torcida, dos jogadores e dos dirigentes, o Corinthians voltou à série A em meio a lágrimas e momentos de emoção cuja intensidade suplantou largamente o que tem sido observado em muitos cultos. A alegria contagiou até mesmo torcedores de outras agremiações esportivas.As livrarias cristãs fazem parte tanto das agruras como das conquistas do escrete do Senhor. Em momentos de crise, literalmente graças a Deus existem medicamentos disponíveis para erradicar diversos tipos de males que têm acometido o Corpo. Profilaxia santa por meio da inspiração que o Pai tem concedido ao redor do mundo.Em contrapartida, também há nas gôndolas outros dois tipos de remédios bem comuns: os placebos – cuja ingestão não provoca nenhum tipo de benefício – e os venenos, compostos que trazem heresias disfarçadas de medicação. Infelizmente, ambos os tipos vendem bastante e acabam por complicar ainda mais a já debilitada saúde do rebanho.No âmbito da saúde, apenas os médicos podem prescrever medicamentos e as farmácias devem ter na equipe um profissional capacitado na área. Nas livrarias cristãs não é necessário o mesmo grau de aprimoramento. Contudo, é mister que todos os funcionários sempre sejam lembrados de que trabalham na esfera da eternidade. No mínimo, devem ter intimidade com a “composição química” de cada obra para indicá-las corretamente.A despeito da sucessão de confusões no meio evangélico, é certo que o Médico-mor é o grande interessado na saúde integral do rebanho. E isso por certo nada tem a ver com matizes teológicos e formas de expressão nos cultos. Somos diferentes, porém temos o mesmo adversário. Como apregoa um provérbio africano, “a união do rebanho obriga o leão a dormir com fome”.Independentemente de seu “time” doutrinário, é tempo de alçar a voz e fazer do grito da torcida alvinegra o seu mote, ainda que em meio às crises da igreja: “eu nunca vou te abandonar”.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

CRESCIMENTO DA IGREJA EVANGÉLICA E O GENUÍNO DESPERTAMENTO ESPIRITUAL 5/5- POR RUBENS RAMIRO MUZIO

A BUSCA DE CHAVES MÁGICAS E MODELOS MILAGROSOSAs igrejas oferecem vários programas, encontros, retiros, oficinas, conferências, mas parece que pouco muda profundamente, a longo prazo. Acumulam-se os cursos de cura interior, fóruns sobre espiritualidade, congressos sobre batalha espiritual, conferências missionárias e concertos de oração. A mentalidade do marketing predomina, a ilusão de que o mero uso de técnicas e programas irá resultar em sucesso e crescimento. Não faltam às igrejas brasileiras oportunidades para a clonagem de programas. Ao alcance de um simples telefonema ou link da internet estão centenas de modelos importados que descrevam como fazer bem como diversas ferramentas ministeriais, verdadeiros pacotes e kits para reprodução. Muitos importam modelos eclesiásticos de igrejas americanas e outras mega-igrejas do hemisfério norte bem como utilizam verdadeiras cópias latinas, tais como o G12, de Bogotá ou Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte.O homem moderno acredita que pode manipular o ambiente ao seu redor e chegar aos resultados desejados se tão-somente utilizar técnicas e ferramentas ministeriais de forma correta. Ele pensa que, se utilizar os instrumentos certos, misturados a uma boa dose de esforço e dedicação, a receita irá funcionar. Se tão somente utilizar o método correto, tudo vai acontecer direitinho conforme a sua visão. Aliás, as técnicas certas, quando aplicadas com eficácia e eficiência, farão com que a igreja cresça. Ouçamos as palavras de Eugene Petterson: Os pastores da América metamorfosearam-se num grupo de lojistas e as lojas de comércio que possuem são suas igrejas. Eles estão preocupados com as preocupações dos lojistas: como manter seus clientes felizes, como atrair mais clientes para longe dos competidores do outro lado da rua e como empacotar seus produtos de forma que os consumidores paguem mais dinheiro. Alguns deles são muito bons lojistas. Eles atraem uma multidão de consumidores, angariam grandes somas de dinheiro, adquirem esplendida reputação. Mesmo assim isso é apenas comércio. É verdade que sejam bons donos de lojas, mas não deixam de ser apenas lojistas. As estratégias do marketing, da "franchising", do "fast-food" ocupam as mentes despertas destes empreendedores. Sonham acordados com aquele tipo de sucesso que atrairá a atenção dos jornalistas (2003, p. 2).Igrejas se tornam firmas, meras lojas que fabricam e vendem produtos religiosos, em busca de clientes e aumento de sua fatia no competitivo mercado religioso. Mesmo sem toda a sofisticação das grandes empresas, elas têm aprendido a utilizar as estratégias de marketing de maneira eficaz, procurando conhecer as demandas do público, oferecendo-lhe produtos diferenciados das outras igrejas e específicos às necessidades físicas, emocionais, profissionais e espirituais dos membros, para que possam satisfazer os seus desejos. A Igreja neste contexto deixa de ser o povo de Deus e assume dimensões materialistas e consumistas. Essas igrejas tendem a serem dominadas por uma prática de vida auto-centrada, egoístas, mais preocupadas com a edificação de seus impérios pessoais do que com a expansão do Reino de Deus. Diante de tantos produtos religiosos e opções eclesiásticas, lamentavelmente o crente-cliente e o visitante desigrejado se vêem com total liberdade para utilizar critérios consumistas na escolha da melhor igreja. Os critérios são semelhantes àqueles utilizados na escolha de um restaurante ou pizzaria: prazer, sabor, gosto, qualidade do produto e atendimento, promoções, boa propaganda, etc. O envolvimento nas igrejas em geral é estritamente opcional e exercitado pelo indivíduo, com sua própria decisão pessoal. Já vimos que, como resultado, membros e não-membros são vistos como consumidores religiosos atrás de produtos, buscando os serviços religiosos que melhor se encaixem às suas necessidades pessoais. A impressão é que o reino de Deus poderia ser alcançado através de genialidade humana e capacidade profissional. A percepção que muitos crentes têm é que sempre existirá uma técnica certa para cumprir a missão da igreja local em seu contexto; existirão sempre estratégias e métodos infalíveis para se chegar ao objetivo desejado pela igreja. No fundo do coração, cresce a florzinha da auto-suficiência que afirma ser o crescimento da igreja resultado muito mais do planejamento e esforço humano do que ação de Deus e poder do Espírito Santo. Considerações finais. A saúde da igreja depende fortemente das condições espirituais dos seus participantes e não apenas da quantidade de atividades religiosas e da criatividade dos programas. Modificações estruturais e organizacionais gerarão apenas mais atividade e movimento sem, contudo, produzir os efeitos permanentes e duradouros de um avivamento genuíno. Há princípios que governam a saúde espiritual. Dois pilares enfatizados por pessoas como Jonathan Edwards, John Wesley, George Whitefield, Dwight Moody e Martyn Lloyd Jones em tempos de avivamento genuíno são: conhecer Deus e conhecer a si mesmo. João Calvino afirmou no capítulo de abertura de suas Institutas que a soma quase toda de nossa compreensão consta de duas partes: do conhecimento de Deus e do conhecimento de nós mesmos. Ou seja, o grau de vitalidade e vigor desta espiritualidade cristã está diretamente proporcional ao nosso progresso nessas duas áreas. Todo genuíno despertamento começa com o conhecimento de Deus, a compreensão da sua presença, a manifestação do seu amor, a sensação que o cristão tem de estar cheio de toda a plenitude de Deus (Jr 7:5-6, 9:23,24; Mq 6:8, Am 5:15; Is 1:12-17; Pv 11:2-3; 15:33; 18:12 e Cl 1:10). A chave do cristianismo é desenvolvimento de um relacionamento pessoal com Deus. O centro da vitalidade espiritual não é uma simples experiência espiritual, mas a apreensão da realidade, caráter e intimidade com o Deus Pai, filho e Espírito e profunda compreensão de sua presença. Quão real Deus é para você? O primeiro efeito produzido na alma cristã é ter prazer num relacionamento pessoal com Deus. C. S. Lewis nos lembra que a saúde espiritual de um homem é exatamente proporcional ao seu amor por Deus.Todo genuíno despertamento espiritual leva ao conhecimento de si mesmo, a real visão de nossa alma carente e pecaminosa. William Carey, famoso missionário, tradutor e lingüista, pediu que a seguinte frase fosse escrita em sua sepultura: "Eu, verme miserável, pobre e incapaz, caio em teus braços carinhosos". Este é o verdadeiro espírito de avivamento: o reconhecimento da natureza pecaminosa, da tendência traiçoeira do coração, do pecado residente que envenena e condena o homem diante de Deus. Por detrás desta bondade complacente aparente do ser humano, mora o monstro que, tal qual na história do Dr. Jekyll e do Mr. Hyde, aflora e desonra o criador. Quem pode me livrar do corpo desta minha morte, disse Paulo? Durante os períodos de avivamento, invariavelmente uma das primeiras coisas que acontece é a visão do pecado como terrível e pavoroso aos olhos de Deus e a necessidade de mortificá-lo e enfraquecê-lo. Isso leva ao arrependimento, uma clara compreensão e dor causados pela situação real em que se encontra a alma. Além desses dois pilares, todo avivamento espiritual aponta para Jesus Cristo, sua morte e suficiência na cruz. Dizem que Francisco de Assis não conseguia comer uma refeição num aposento onde houvesse uma cruz pendurada sem que lágrimas não rolassem do seu rosto. O verdadeiro avivamento leva a uma assimilação profunda e sensibilidade diante do significado e dos resultados da morte e ressurreição de Jesus Cristo. Muitos cristãos evangélicos continuam carregados com sentimentos de culpas, remorsos, decepções e inseguranças. Eles não compreendem plenamente a total suficiência da obra redentora de Jesus. O mistério, drama ou escândalo da cruz, ao transferir para Jesus, todo o preço e penalidade da redenção da humanidade, por um lado, é ser uma demonstração exata da severidade da ira, julgamento e justiça de Deus e, por outro, a declaração da profundidade do amor, misericórdia, compaixão e bondade de Deus na recuperação da sua criação decaída. Como dizia o avivalista escocês, Robert McChenney: para cada olhar para sua vida, eleve dez olhares para Cristo. A satisfação de seguir Jesus - tornar-se seu aprendiz e discípulo - deve ultrapassar toda e qualquer satisfação diária trazida pelos prazeres do cotidiano e do mundo. A vida de John Payton, semelhante a milhares de missionários cristãos, é um bom exemplo desse olhar para Cristo. Nascido em 1824 na Escócia, com 32 anos deixou seu ministério brilhante e tornou-se missionário em Wanuato, entre as ilhas canibais do pacífico sul, um mês após casar-se com Mary, entretanto, no final daquele primeiro ano, sua esposa morre de febre e três semanas depois o filhinho morre também. Sozinho, em lágrimas e desespero, ao som dos tambores indígenas das festas canibais pagãs, ele enterra sua família e sem poder dormir vigia a sepultura da esposa e filho para que seus corpos não fossem roubados e comidos pelos canibais. O que sustentou John durante todo luto foram as palavras de sua esposa, logo antes de morrer: ela nunca reclamou, nunca murmurou contra Deus. Suas palavras foram incríveis: "eu não ressinto ter deixado família e amigos. Se tivesse que fazer tudo de novo, faria novamente com mais prazer, sim, de todo o coração". Sobre aquele momento, ele escreveu depois: "Se não fosse por Jesus, eu teria enlouquecido e morrido aos pés da sepultura". Muitos anos depois John voltou à Escócia não mais ao som de tambores mas ao som dos sinos das várias igrejas plantadas no seu ministério. Somente um cristianismo com tal profundidade e intensidade permanecerá forte, penetrará no coração do povo brasileiro e transformará nossa nação.

CRESCIMENTO DA IGREJA E O GENUÍNO DESPERTAMENTO 4/5- POR RUBENS RAMIRO MUZIO

A ESTERILIDADE DE MUITOS EVENGÉLICOS . Em países do hemisfério norte, igrejas são transformadas em boates, museus, clubes e até mesmo renovadas em mesquitas. A igreja Missionary Alliance em Toronto, onde A.W. Tozer fora pastor tornou-se um templo da Hari Krishna. Eu próprio, quando pastoreava numa sociedade pós-cristã e pós-moderna no Canadá, presenciei de perto a decadência e morte de algumas igrejas, como pacientes em estado terminal, incapazes de recobrarem-se e de recuperarem-se. Finalmente, elas se fecharam. Isso pode muito bem acontecer no Brasil daqui alguns anos. Nem sempre a história de países como Escócia, Inglaterra, Alemanha, Irlanda e Canadá foi de fracassos e derrotas. Por exemplo, mais de 90% da população canadense se dizia comprometida com o Reino de Deus, participante de igreja, há 100 anos.
Atualmente, menos de 3% dos habitantes de Toronto freqüentam ativamente uma igreja evangélica e a maioria absoluta das denominações e igrejas locais continuam declinando. A história é semelhante em vários países da Europa. Não é a toa que muitos estudiosos afirmam que o eixo do cristianismo mudou-se para o hemisfério sul. A maioria dos cristãos evangélicos encontram-se na Ásia, África e América Latina.Enquanto a igreja brasileira exibe certas qualidades do avivamento como a criatividade, entusiasmo evangelístico, visível alegria, vigor espiritual, muitos cristãos não produzem frutos em palavras e atos. Sempre me impressionou a severidade com que Jesus tratou a figueira estéril. Ele amaldiçoou-a dizendo: "Nunca mais produza fruto em ti". Em João 14, o evangelista descreve a cena na qual Deus olha para a vida dos crentes com os olhos do fazendeiro que verifica a plantação em busca de frutos. As árvores frutíferas são melhoradas e aperfeiçoadas para que frutifiquem mais ainda. As árvores infrutuosas são cortadas e queimadas. Ary Velloso, meu amigo e companheiro na Sepal, costuma suspeitar quando algum não-crente lhe afirma ter um amigo ou colega evangélico. Para não incorrer no erro de assumir que a pessoa tem dado testemunho de Cristo, ele então pergunta: "seu amigo é crente mesmo ou picareta"? Este mesmo questionamento, evidenciado tantas vezes nos meios de comunicação, é resultado de igrejas que vivem um cristianismo aparentemente estéril, crentes que não produzem frutos dignos de arrependimento. Paulo chama de fruto do Espírito as virtudes do caráter descritas em Gálatas 5.22 e 23. No Salmo 1, da mesma forma que em João 14, o ser humano é comparado a uma árvore: com muitos galhos, provindos da mesma raiz. Se a seiva da raiz distribuída por entre os galhos é boa (amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, domínio próprio, fé, etc.), então o fruto será de boa qualidade. Mas se a seiva da árvore é ruim (prostituição, impurezas, lascívia, iras, discórdias, ódio, ansiedade, medos, ressentimentos, etc.), seus frutos serão mortais. Embora o fruto pareça ser igual em toda árvore e as árvores pareçam ser todas iguais - semelhantes em forma, cor, tamanho e cheiro - a diferença é percebida quando o fruto é experimentado. Isso acontece freqüentemente entre cristãos genuínos e meros religiosos. São parecidos, mas muito diferentes na essência.Esta esterilidade e falta de seiva espiritual pode estar ausente tanto das igrejas históricas como pentecostais, neo-pentecostais ou carismáticas, liberais ou conservadoras. Os pacotes e rótulos, cores e tamanhos, ministérios e programas variam de denominação para denominação. Mas a essência é a mesma: muitas folhas e poucos frutos, muitas nuvens e quase nenhuma chuva, muito evangeliquês e nenhuma santidade, muito falar e pouco fazer. Apesar do crescimento de folhas e desabrochar de flores, a esterilidade e infrutuosidade permanecem.Em o Novo Testamento fica claro que os cristãos seriam conhecidos pelos frutos das boas obras, pela vivência de um evangelho integral, pela diaconia e ação social, pelas obras de solidariedade, etc. A árvore é conhecida pelo fruto que produz (2 Pd 2.17; Lc 6:44). Jesus nunca afirmou que homens e mulheres seriam conhecidos pelas suas folhas e flores: conhecimento teórico das histórias e doutrinas bíblicas, experiências e visões espirituais, retórica e excesso de palavras, elogios, abraços, extroversão e sorrisos, ou lágrimas, entusiasmo e emoções fortes. "Pelos frutos os conhecereis", disse Jesus em Mateus 7.20-23. Nem todos aqueles que invocarem a Deus dizendo: "Senhor, Senhor", serão salvos. Nem todos aqueles que participaram das igrejas, expulsaram demônios, pregaram o evangelho, ensinaram a Bíblia, fizeram milagres, serão salvos. "Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade".Jesus sabe muito bem distinguir as árvores frutíferas daquelas que estão apenas repletas de folhas e improdutivas, mesmo que exuberantes e verdejantes. Várias vezes, as Escrituras criticam aqueles religiosos que fazem um show off de sua religiosidade. Eles são como uma nuvem que parece estar encharcada de água, mas logo se dissipa com o vento forte sem produzir a chuva necessária para a terra árida (Pv 25. 24 e Jd 4 e 12).

CRESCIMENTO DA IGREJA EO GENUÍNO DESPERTAMENTO 3/5 - RUBENS RAMIRO MUZIO



O ENFOQUE NO EMOCIONALISMO E NA EXPERIÊNCIA MÍSTICA .Tendo morado em Toronto por alguns anos, tive a oportunidade de visitar a Airport Church, uma igreja da denominação Vineyard, tão aclamada pela divulgação das conferências, unções diversas e experiências chamadas Toronto’s blessing. Muitos brasileiros foram visitá-la em busca de uma bênção especial. Será que o entusiasmo brasileiro é sinal do verdadeiro cristianismo? Será que a fé evangélica deve estar fundamentada em fenômenos, sinais e milagres? A igreja deveria centralizar suas expressões de fé nas experiências espirituais, fortes emoções, entusiasmo e sensações de calor e arrepio pelo corpo? Tudo que reluz é ouro? Fenômenos e experiências espirituais são comuns e muito variados nos períodos de avivamento e despertamento espiritual. Eles podem ser fenômenos físicos - cair prostrado, desmaiar sob a convicção do pecado, pessoas que parecem estar em transe ou inconsciente; ou fenômenos emocionais e mentais – grande alegria ou tristeza, palavras de conhecimento e profecias, capacidade de oratória, etc. Martyn Lloyd Jones (1993, 138-149), no seu livro Avivamento, destaca quatro princípios acerca dos fenômenos: 1) Deus usa os fenômenos para chamar a atenção para si mesmo e para sua obra, levando pessoas à conversão; 2) O Espírito Santo afeta e influencia a pessoa integral, podendo produzir ou não grandes emoções. Eles (os fenômenos) são um sinal que um estímulo muito poderoso está em operação. O emocionalismo, diferente das emoções espirituais, é produzido, forçado ou manipulado; 3) Eles não são essenciais ou vitais ao avivamento. Embora geralmente estejam presentes em períodos de avivamento, podemos ter um avivamento sem eles; 4) Não devemos buscar fenômenos e experiências estranhas. J. H. Moore, o homem que iniciou o avivamento na Irlanda do Norte no século XIX não gostava deles. Jonathan Edwards defendeu-os na sua maioria como vindos da parte de Deus. John Wesley e George Whitefield não gostavam muito deles e ficavam incertos sobre sua origem. O que devemos buscar é a manifestação da glória de Deus, do seu poder, da sua força. Sentimentos, freqüentemente fortes e incontroláveis, acontecem quando um homem ou uma mulher se torna um cristão verdadeiro: grande derramamento da graça e compreensão do maravilhoso amor de Deus, sentimento de ódio e pranto diante do pecado e imperfeições, o recebimento do perdão de Deus que leva à alegria e paz indizíveis, etc. Não queremos negar a importância das emoções e sentimentos, descartando-os como imaturidade, chamando-as de emocionalismo barato. Entusiasmo não é sinônimo de santidade da mesma forma que emoções fortes não garantem a presença de um cristianismo autêntico. Muitos crentes esperam pelas experiências secretas, buscando a influência das visões em seus pensamentos e idéias; eles são atraídos àquilo que Deus deseja fazer emocionalmente em suas vidas. Como a alegria que está na emoção por si só é passageira, eles precisam constantemente impulsionar o high com novas experiências (drogas?), descobertas e técnicas espirituais para voltar a sentirem-se felizes.O cristianismo não somente afeta as emoções, mas a mente das pessoas. Jonathan Edwards, pastor e filósofo, incentivador do Primeiro Despertamento Espiritual nos estados do nordeste americano, falava sobre o princípio do calor e luz. Muitos cristãos estão cheios de luz - idéias, conhecimento intelectual, doutrinas, conceitos teológicos, mas têm pouco calor. Se a fé não move as disposições para os desejos da vida e não afeta emoções é prova de que o cristianismo não é verdadeiro. A ênfase emocional produz o efeito oposto: muito calor – entusiasmo, sentimentos - e pouca luz. O fato de alguém estar emocionado com as questões da igreja não prova que ele viva um cristianismo verdadeiro. Esta ênfase no aspecto emocional da fé produz mais calor do que luz. Calor e luz precisam caminhar como parceiros no coração do cristão.As fortes emoções facilmente produzem palavras bonitas, um evangeliquês dito com facilidade. Os evangélicos aprenderam mais rapidamente a falar como crentes, do que a viver como santos. Em todo o país, igrejas demonstram um exagerado entusiasmo e vibrante emocionalismo, uma espiritualidade que demonstra extraordinário calor, inspiração e extravagantes demonstrações de paixão. Richard Lovelace (1979, p. 42) questiona a respeito dos sentimentos que consideramos espirituais por não estarem enraizados no amor próprio? Muitos celebram um falso sentimento de comunhão com Deus baseados principalmente nas emoções, arrepios e experiências humanas; frutos de uma imaginação fértil, apenas acham que Deus as ama. Por essa e outras, muitos daqueles que demonstraram calor inicial foram batizados na igreja, mas, vazios da luz de Deus, voltaram à velha vida ou simplesmente vivem uma vida vazia e fria! Neste sentido, as emoções podem mover pessoas para longe ao invés de trazê-los para perto de Deus.

CRESCIMENTO DA IGREJA EVANGÉLICA E O GENUÍNO DESPERTAMENTO ESPIRITUAL 2/5 - POR RUBENS RAMIRO MUZIO

A PRESENÇA DE UM SUB-CRISTIANISMO CONFIRMADO PELA SUPERFICIALIDADE DAS CONVERSÕES - John Stott, no 1o Congresso de Lausanne, descreveu com ousadia a igreja africana da seguinte forma: como um grande rio, com milhares de quilômetros de extensão e centímetros de profundidade. Esta tem sido uma das preocupações mais enfatizadas pelos missiólogos na análise do crescimento da igreja no hemisfério sul: apesar de que milhões tornaram-se cristãos e demonstraram um entusiasmo superficial e alegria contagiante, os corações não foram profundamente afetados com o evangelho. No caso da África, é evidente a dificuldade da igreja ao lidar com as guerras tribais, a poligamia e a grande epidemia da AIDS. Já surge uma nova geração de africanos que desprezam o cristianismo. Falando na International Consultation on Discipleship, para 400 líderes de 90 organizações de 54 países, em 1999, Stott reafirmou que a igreja está crescendo com força, mas em muitos lugares o problema é que o crescimento não tem profundidade (Oosterhoff, 1999, p. 1). O Brasil, com seus 40 milhões de evangélicos e 200 mil templos, deve constantemente avaliar se o crescimento acelerado está sendo acompanhado com profundidade teológica, substância espiritual, maturidade no discipulado e transformação comunitária. Sem dúvida, a igreja evangélica brasileira fez um ótimo trabalho como obstetra, de evangelização, de parteira espiritual, gerando milhões de novos-crentes, introduzido-os ao leite materno da fé cristã. Entretanto, ela demonstra grandes dificuldades no conhecimento de Deus, no aprofundamento das dinâmicas da fé, na mortificação do pecado e no processo de transformação pessoal e comunitário. O evangélico brasileiro ainda crê e pratica um cristianismo infantil, bastante rudimentar, sem consciência da abrangência do pecado na sua vida e nas cidades. Nos períodos de crescimento, a igreja porta-se como uma criança, cheia de vigor e energia, imaturidade e insegurança. Pais de crianças e adolescentes sabem muito bem a quantidade de gás e vitalidade (e comida!) que seus filhos liberam na prática de esportes, atividades diárias, escola, acampamentos, brincadeiras, etc. Entretanto, eles ainda são frágeis e imaturos, machucam-se e choram com freqüência, aprontam e apanham, são indefesos e dependentes. Muitos cristãos brasileiros foram superficialmente evangelizados e praticam o sub-cristianismo do aceitar-Jesus e das 12 lições de discipulado, desde que lhes garanta a entrada no trem celestial. Com os cultos de entretenimento e suprimento de necessidades, o crente continua a viver um estilo de vida pouco tocado pelos valores do evangelho, cuja semente não penetra nos terrenos mais profundos do coração humano e da sociedade brasileira.Qual a influência da igreja evangélica na sociedade brasileira? Assista a TV e perceba que, apesar dos muitos programas evangélicos, o sensacionalismo popular dos shows de televisão e a mentalidade competitiva e derrotista do Big Brother Brasil revelam uma cultura cada vez mais brutal, sensual, animalesca e enamorada de seqüestros e da violência. Corrupção e oportunismo impregnam as estruturas de poder, inclusive a política evangélica. Não estaria longe dos princípios do reino de Deus a igreja defensora da cobiça, incentivadora dos valores materiais, protetora do forte, do famoso, do rico e do belo, e desvalorizadora do fraco, da viúva, do velho e do pobre?Imaginem uma panela de água fria, na qual nada uma rã. Acende-se o fogo debaixo da panela. A água aquece suavemente e em breve fica morna. A rã acha aquilo agradável e continua a nadar tranqüilamente. A temperatura começa a subir, a água fica quente, a rã gosta, mas não se transtorna com o fato, sobretudo porque o calor tende a cansá-la e a entorpecê-la. Agora a água está mesmo quente! A rã começa a achar desagradável, mas está tão debilitada, esforça-se por se adaptar, mas não consegue fazer nada. A temperatura da água continua a subir progressivamente, até o momento em que a rã acaba simplesmente por ficar cozida e morrer, sem nunca conseguir saltar para fora da panela. Se ela fosse mergulhada repentinamente numa panela a 50º, a mesma rã daria logo um pulo para fora da panela.A igreja na sociedade tende a agir como a rã, absorvendo os valores ao seu redor, ficando tão saturada com a cultura de mercado, que não percebe a temperatura das águas. Sem a constante prática de um cristianismo genuíno que busca fortemente o Senhor, reconhece o pecado a anda com Cristo diariamente, a pessoa nada tranqüila nas águas do consumismo, sensualismo, secularismo e individualismo e não percebe mais a proximidade da morte. O secularismo e nominalismo têm avançado nas últimas décadas. Isso é evidenciado pelo número de homens e mulheres que estão se identificando como pessoas sem religião ou sem filiação religiosa. Um dos estados mais evangelizados do Brasil, o Rio de Janeiro com 30% de evangélicos, tem 12% nesta categoria. Essa tendência acompanha outros estados do Brasil: onde mais cresce a igreja evangélica, mais cresce também os sem-religião. Quase 10% da população brasileira já se encontra nessa categoria! A maior igreja luterana da América Latina situa-se em Timbó, Santa Catarina. Timbó é uma belíssima cidade, situada no Vale do Itajaí, com um dos melhores índices de desenvolvimento humano (IDH) do Brasil. Segundo um pastor local, Disney Macedo, essa igreja, com mais de 15 mil membros, congrega apenas 40-50 pessoas nos seus cultos dominicais. Há muitos ex-evangélicos vagando pelas nossas cidades! Por muitos anos, eles criticaram os católicos brasileiros pelo evidente nominalismo: igreja como: local de batismo, casamento, funeral e ocasiões especiais. Parece que muitos tendem a copiar esse perfil nominal de crente descomprometido, adepto de um cristianismo light e culturalmente desenraizado.

CRESCIMENTO DA IGREJA E O GENUÍNO DESPERTAMENTO ESPIRITUAL 1/5- POR RUBENS RAMIRO MUZIO

Nos dias 19 e 20 de março de 2007, o Datafolha [2] realizou uma pesquisa religiosa comprovando aquilo que todos nós já sabíamos: os evangélicos continuam crescendo em quase todo o Brasil: eles são 22% da população brasileira! Interessante notar que nesta pesquisa, eles foram subdivididos apenas em dois grupos: evangélicos pentecostais (17%) e evangélicos não-pentecostais (5%), o que comprova mais uma vez que a grande maioria (quase três quartos) da igreja evangélica é fruto do movimento carismático e pentecostal. A pergunta que vale um milhão de dólares (ou euros, com a desvalorização): Estamos realmente passando por um avivamento no Brasil? Será que as características e qualidades deste crescimento tipificam um genuíno avivamento? Será que este crescimento não demonstraria apenas um despertamento geral da população brasileira para as questões espirituais, decepcionada com a modernidade e suas promessas de realização e felicidade? Para responder esses questionamentos, precisaremos saber que tipo de igreja está crescendo e avaliar algumas características da espiritualidade brasileira. Inicialmente devemos reconhecer que o Espírito de Deus tem agido em muitas regiões do Brasil, aumentando a sensibilidade das pessoas, trazendo-as ao reconhecimento de suas necessidades espirituais, restaurando pessoas e transformando famílias. É inegável que multidões foram trazidas a uma nova convicção da verdade do evangelho, persuadidas a Cristo, o Filho de Deus, como o único Senhor e Salvador da humanidade. É notório que vários aspectos do avivamento estejam presentes no Brasil. Talvez este seja um tempo de colheita! Colheita, porque as terras brasileiras foram fertilizadas pelas sementes, sangue, suor e lágrimas de muitos pregadores por mais de um século, desde que os primeiros missionários chegaram ao Brasil nos idos de 1850 e elas frutificaram a cem, a sessenta e a trinta por um (Mt 13:23). Entretanto, há sinais claros de fumaça no horizonte, sinais de que nem tudo vai bem no arraial evangélico. Este artigo procura destacar algumas impressões sobre o crescimento da igreja evangélica no Brasil nas últimas décadas. São elas:1. Uma espiritualidade carnal ou uma carnalidade espiritual. A conversão ao cristianismo leva necessariamente à mudança de atitudes: velhos vícios são abandonados e uma nova linguagem é aprendida (seria o evangeliquês?). O novo convertido experimenta fortes emoções, sente o amor de Deus e entrega sua vida a Ele. Entretanto, por mais válidas e abençoadoras que sejam essas experiências espirituais, elas não demonstram conhecimento profundo da graça salvadora e da pessoa de Deus. Reverência a Deus, dedicação à igreja e fortes emoções religiosas não florescem nos campos daquela espiritualidade que é regada pela água da vida, pela alegria do Espírito e pelo amor genuíno descoberta na cruz de Jesus. Ou seja, pessoas com aparência espiritual podem estar vazias da graça de Deus.Isso faz com que muitos dos crentes, participantes das igrejas brasileiras, manifestem alguns tipos de pecados religiosos dissimulados, estilos de carnalidade com fachada de espiritualidade. É comum para aqueles que invejavam o carro importado ou a casa do colega de trabalho desejarem agora as mesmas coisas através de uma oração de posse, decretando prosperidade do Filho de Deus. Aqueles que anteriormente ambicionavam o cargo ou comissão do chefe do departamento, agora aspiram, humilde e avidamente, ao título de diácono ou a posição de liderança (pastor, bispo, apóstolo, etc.) com toda a voracidade do mercado de trabalho. Embora não exagerem mais na quantidade de bebida alcoólica (comida em excesso parece ser liberado nas igrejas, em geral) a glutonaria ambiciosa dos dons espirituais e cargos ministeriais mantém os desejos carnais bem vivos e ativos. É claro que tudo isso se disfarça com tanta sutileza passando despercebido para a maioria dos evangélicos, freqüentadores dos cultos sendo, imperceptível até mesmo para os pastores e líderes. Esses são apenas alguns exemplos do que poderia ser chamado de espiritualidade carnal ou carnalidade espiritual. Tais atitudes, embora sutis e inconscientes, corroem a comunidade cristã como câncer, devorando sua vitalidade de dentro para fora.Há uma grande quantidade de atividade religiosa no mundo energizada pela natureza humana e pelo próprio diabo. A natureza humana pode ser facilmente mascarada e encoberta pela espiritualidade das pessoas. Padrões e atitudes que aparentemente têm cara e jeito de cristianismo podem encobrir uma carnalidade nos níveis mais íntimos das intenções e desejos do coração. O próprio Jesus disse que o joio é muito parecido com o trigo (Mt 13:24-27) . Quase todos os períodos de crescimento e avivamento na história da igreja comprovam que o trigo do evangelho fora cercado pelo joio das atividades carnais e elementos enraizados nos pecados do orgulho, vaidade, impureza, divisões, soberba, lascívia, etc.Não é fácil separar o certo do errado, o bem do mal na igreja da atualidade. Por um lado, Deus está agindo imensamente em todo o Brasil, revitalizando velhas igrejas e especialmente plantando e fazendo crescer novas comunidades. Mas Satanás habilmente planta o joio no meio do trigo do avivamento, misturando o santo com o profano, bombardeando a luz do evangelho com os projéteis e mísseis das trevas, mesclando o bom leite espiritual com o café amanhecido da religiosidade (numa linguagem bem brasileira). A tarefa de arrancar o joio do meio do trigo – e separar a igreja verdadeira da artificial - é impossível aos homens, segundo Jesus.Da mesma maneira, o joio está misturado no coração de todas as pessoas. O pecado se mistura em diversas doses e combinações dentro do coração, diluindo os elementos da fé, amor e santidade, implantados após a conversão pelo Espírito Santo. Ninguém é capaz de identificar e separar completamente o que vem de Deus daquilo que vem dos próprios desejos do coração humano. Há tantas combinações entre o bem e o mal, entre virtude e vício, entre aspirações por santidade e desejos da carnalidade. Nenhum cristão pode ter certeza absoluta que suas experiências sejam puramente experiências espirituais, sem que estejam poluídas pelo pecado ou misturadas à natureza humana. Nas terras do coração, as sementes da maldade fertilizam lado a lado com as sementes da Palavra. O importante é saber regar e adubar as melhores plantas.O melhor é reconhecer humildemente as grandes semelhanças entre a espiritualidade dos religiosos e dos genuínos cristãos! Quantas vezes determinadas denominações e comunidades isolam-se dos outros grupos por considerarem-se mais espirituais, separam-se para viver em comunidades orgulhosas e egoístas! Quão difícil é separar o joio do trigo! O Deus onisciente, o conhecedor dos corações, é o único que tem prerrogativa para separar as ovelhas dos cabritos, estes para o castigo eterno, aqueles para a vida eterna (Mt 25:31-46).
[1] Doutor em Ministério pelo Westminster Theological Seminary com validação pela PUC-Rio eprofessor da Faculdade Teológica Sul Americana, lecionando as disciplinas na área de Teologia Prática. Email: rubens@sepal.org.br
[2] Foram realizadas 5700 entrevistas em 236 municípios brasileiros. A margem de erro máxima decorrente desse processo de amostragem é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos, considerando um nível de confiança de 95%.

terça-feira, 25 de novembro de 2008

SERVIR: PRIVILÉGIO DE POUCOS- POR ED RENE KIVITZ

É natural ao coração humano a busca de conforto, status, poder e tudo quanto vem agregado a estas realidades. Tiago, João e sua mãe foram até Jesus solicitar tais privilégios na consumação do reino de Deus. Jesus não disse nem que sim, nem que não, mas aproveitou para reforçar que o reino de Deus é reino de servos e, portanto, os servos são os verdadeiros governantes do mundo. No reino de Deus, o privilégio e o ônus de governar não é das “pessoas importantes”, mas dos servos, até porque, governar é servir. No reino de Deus, a maneira de governar não é exercendo domínio sobre os governados, mas servindo os governados, até porque, governar é servir. Na lógica do reino de Deus, o oposto também é verdadeiro: servir é governar. Para servir é necessário sair da zona de conforto, isto é, fazer o indesejado, dedicar tempo para tarefas pouco atraentes, assumir responsabilidades desprezadas pela maioria, fazer “o trabalho sujo”, enfim fazer o que ninguém gosta de fazer. Para servir é necessário vencer o orgulho, isto é, se dispor a ser tratado como escravo, ter os direitos negligenciados, ser desprestigiado, sofrer injustiças, conviver com quase nenhum reconhecimento, enfim, não se deixar diminuir pela maneira como as pessoas tratam os que consideram em posição inferior. Para servir é necessário abrir mão dos próprios interesses, isto é, pensar no outro em primeiro lugar, ocupar-se mais em dar do que em receber, calar primeiro, perdoar sempre, sempre pedir perdão, enfim, fazer o possível para que os outros sejam beneficiados ainda que ás custas de prejuízos e danos pessoais. Não é por menos que em qualquer sociedade humana existem mais clientes do que servos. Servir não é privilégio de muitos. Servir é para gente grande. Servir é para gente que conhece a si mesma, e está segura de sua identidade, a tal ponto que nada nem ninguém o diminui. Servir é para gente que conhece o coração das gentes, de tal maneira que nada nem ninguém causa decepção suficiente para que o serviço seja abandonado. Servir é para quem conhece o amor, de tal maneira que desconhece preço elevado demais para que possa continuar servindo. Servir é para quem conhece o fim a que se pode chegar servindo e amando, de tal maneira que não é motivado pelo reconhecimento, a gratidão ou a recompensa, mas pelo próprio privilégio de servir. Servir é para gente parecida com Jesus. Servir é para muito pouca gente. A comunidade cristã – a Igreja, pode e deve ser vista, portanto, como uma escola de servos. Uma escola onde aprendemos que somos portadores do dna de Deus, dignidade que ninguém nos pode tirar. Uma escola onde aprendemos que, por mais desfigurado que esteja, todo ser humano carrega a imagem de Deus. Uma escola onde aprendemos a amar, e descobrimos que, se “não existe amor sem dor”, jamais se ama em vão. Uma escola onde aprendemos que “mais bem aventurada coisa é dar do que receber”. Servir é mesmo privilégio de poucos. De minha parte, preferiria ser servido. Mas aí teria de abrir de mão do reino de Deus. Teria de abrir mão de desfrutar do melhor de mim mesmo. Teria de abrir mão de você. Definitivamente, me custaria muito caro. Nesse caso, continuo na escola.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

A BÍBLIA É UMA BABEL- POR ELIENAI CABRAL JÚNIOR

A Bíblia não pode estar acima da vida. A maior autoridade na vida é a vivência mesma e não o texto sagrado da religião. O que contraria um pilar da tradição evangélica. Proponho inverter a afirmação tradicional. A vida é a maior autoridade sobre a Bíblia.
A hermenêutica evangélica da Bíblia hierarquiza o texto sagrado dividindo-o em patamares de estilo e valor: o texto normativo e o narrativo. Por ser uma escrita escorregadia, marcada pelas singularidades e obscuridades das experiências humanas, o texto narrativo precisa ser iluminado pelo texto normativo, aquele que discorre sobre Deus e doutrina a vida do crente. Sendo assim, grande parte dos evangelhos e do Livro dos Atos dos Apóstolos careceria ser interpretada com o auxílio preciso das Cartas Apostólicas. Também se sujeitariam a estes os poéticos e apocalípticos. Afinal de contas, o que fazer com o sorteio que define a vontade de Deus para a substituição no colégio apostólico, ou com a quantidade exorbitante de vinho providenciada pelo festeiro Nazareno transformando água em vinho? Os narrativos escandalizam, os normativos devolvem a ordem.
Esta compreensão hierarquizada da Bíblia já é uma “ginástica” conceitual para administrar a violência imposta à vida humana ao submetê-la a uma autoridade carente de dinamismo, à força fria do que está escrito. Os textos narrativos, maioria sugestiva da Bíblia, são repletos de ambigüidades, contradições, tensões, becos sem saída e imprecisões, porque são o retrato da vida de homens e mulheres que experimentaram Deus em épocas e culturas próprias. Da mesma forma que o discurso religioso quer sujeitar a vida ao texto bíblico, sua hermenêutica obriga-se a calar a polifonia irresistível dos textos narrativos com a mordaça dos chamados textos normativos.
Como se já não bastasse a hercúlea tarefa de arranjar a “Bíblia” de forma a maquiar suas imprecisões textuais e sua distância cultural em relação ao leitor, impõe-se ao crente arranjar sua vida de forma a encaixá-la na moldura das Escrituras, ou pelo menos dar esta impressão. Entenda o enquadramento da vida pelas Escrituras pelo que delas se compreende e se institui como fiel interpretação. Assunto com que já nos ocupamos em textos anteriores a este.
Acredito que precisamos ampliar o alcance da doutrina cristã da encarnação. O Deus que se fez gente deveria ser a mais importante chave de compreensão da Bíblia. Sendo assim, podemos entender o gesto de se esvaziar da condição acima da vida para assumir a condição humana de viver como a rendição de Deus à única realidade em que o que diz à humanidade pode fazer sentido, na vivência.
A Palavra de Deus se enche de sentido no Verbo Encarnado. O Verbo Vivo não mata a vida para se impor como doutrina. “O ladrão vem para roubar, matar e destruir”. Doutrina que não se vivencia assalta a vida. Mas a Palavra encarnada é a que vivencia radicalmente a existência humana e nela promove a vida intensamente. (Jo 10.10) O movimento divino de encarnação é um ato libertador. É negação de qualquer fala que se desconectou da vida para a sua afirmação redentora. Antes de dizer, desdizer.
Talvez por isso Jesus tenha usado com freqüência as locuções “Ouvistes o que foi dito aos antigos (…) eu, porém, vos digo que (…)” (Mt 5.22-44) Um Deus encarnado precisa dizer de novo. Reinterpretar o que sempre disse, pois fala de dentro da dinâmica existencial dos viventes. Fala com cheiro, com timbre, com cara, com batimentos cardíacos, com cultura e história, é a Raiz de Jessé, o Filho de Davi. Judeu nazareno oprimido pelos romanos. É provavelmente carpinteiro, certamente pobre. É filho de Maria, primo de João Batista. É “comilão e beberrão”. É rabi. É o filho do homem. É gente. Tem que desdizer e dizer de novo.
Acredito que foi por isso que Jesus suspendeu a prática do jejum em determinado momento, rito previsto e normatizado na Lei, negando qualquer sentido ao jejum na “presença do noivo” Como também colocou o Sábado a serviço da vida humana e a libertou de seu senhorio desastroso: o sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado. A vida é sagrada e não o mandamento do sábado. A Bíblia foi feita a partir da vida humana e não a vida humana a partir da Bíblia. A Bíblia sagra-se na vida.
Jesus re-significou a lei diante da mulher flagrada em adultério. A célebre pergunta “quem não tiver pecado atire a primeira pedra” seguida do perdão nada mais foi que a vida legislando sobre a Lei. Silenciou a opressão da palavra que acusa e condena e deu voz ao perdão e à esperança. Jesus é a vida se impondo sobre a letra. Mulher, onde estão os teus acusadores? Ninguém te condenou? Tão pouco eu te condeno. Vá e abandone a vida de pecado.”
A grande pressão sofrida por Jesus, sua maior tentação, foi a de inverter a relação. Violentar a vida impondo sobre ela as regras vindas do alto. Ao que respondeu com uma metáfora. “Se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto”. (Jo 12.24) Mesmo diante da morte previsível, Jesus se nega a jogar com outras regras que não as da vida. As únicas que poderiam produzir muito fruto. Regras acima da vida fariam a palavra de Jesus uma palavra solitária, sem sentido. A palavra encarnada na vida, inclusive na possibilidade previsível da morte, é solidária, é comunhão, são muitos frutos, tem muito sentido. O mundo é reconciliado com Deus apenas na palavra que frutifica no solo da existência humana.
É por isso que o pregador que vocifera promessas de milagre precisa deixar o púlpito e freqüentar os quartos de hospitais onde esperam pelo último suspiro centenas de enfermos. Gente que nunca experimentará a tal “fé” que produz milagres. Pela mesma razão lamento a dor, mas celebro a oportunidade de ter a companhia de pastores que experimentaram o fim do casamento. Eles sim têm o que dizer sobre a interpretação de textos bíblicos a respeito do divórcio e novo casamento. Festejo a globalização e o acesso em tempo real aos fatos do mundo, pois enquanto reclamamos de Deus um jeitinho para os nossos mínimos problemas somos também constrangidos pelos campos de refugiados em Darfur.
Não tenho dúvida de que essa necessidade de alçar o texto bíblico acima do mundo vivido é uma manobra de perpetuação de poder, ou seja, da religião instituída. Apenas a instituição teme a leveza da vida humana, sua imprevisibilidade a ameaça, seu descontrole a esvazia, sua circunstancialidade a relativiza. Por isso o texto precisa emoldurar a vida humana e confirmar a relevância da religião organizada. Não consigo parar de repetir que a Bíblia que se posiciona acima da vida é sempre a imposição de uma interpretação dela e nunca ela mesma.
A Bíblia em si mesma é a sabotagem divina à sistematização dos amantes do poder. A Bíblia é Babel. A confusão de línguas e histórias impedindo a divinização dos edifícios. Babel é a vida liberta por Deus das amarras hegemônicas dos poderosos. A Bíblia é Deus confundindo os esforços cartesianos de aprisionamento da verdade. A Bíblia é Deus libertando a vida das razões absolutizantes. A Bíblia é Deus babelizando os poderosos e espalhando a verdade por tantos viventes quantos haja. A Bíblia é tão narrativa quanto à vida. E tão desorganizada, imprevisível, imprecisa, surpreendente e contraditória quanto a vida de qualquer um de nós.
E é justamente porque a Bíblia se parece muito com a vida humana que tem muito e sempre o que dizer à humanidade. Sendo um livro essencialmente narrativo é Deus falando enquanto vivemos.
Gadamer fala da compreensão como um jogo. Um jogo dialógico e dinâmico. Como em um jogo, só se compreende bem algo, suas regras e funcionamento, a medida que é vivenciado. Aprendemos um jogo não quando lemos suas regras, mas quando o jogamos. Aí sua dinâmica é apreendida. Ninguém aprende a jogar a partir de uma manual de regras, mas a partir do jogo mesmo. Porque um jogo é muito mais que as regras de seu funcionamento. É intuição. Discernimento. Interpretação. Improviso. Imaginação. Só então as regras do jogo fazem algum sentido.
A Palavra de Deus também. Enquanto vivemos, a Bíblia pode ser compreendida na dinâmica do que experimentamos. O que diz só faz sentido a partir do que vivenciamos. O que acreditamos dizer a Bíblia como Palavra de Deus é apenas o que faz sentido na vida que experimentamos aqui e agora. O que cai no solo da existência humana e frutifica. O que promove e afirma a vida humana. “A letra mata, mas o Espírito vivifica”.
Para a vida humana, com tantas vozes e imprevisível, uma Bíblia tão falante e tão surpreendente.

sábado, 18 de outubro de 2008

O SENHOR DO LADO DE FORA - POR PAULO CILAS

Há algum tempo fiquei curioso quanto à expressão "voz do que clama do deserto" referente a João Batista. De súbito, me ocorreu que não era ele, João, que clamava. Ele era tão somente a voz de quem clamava. E quem clamava? Deus!!!
Fora da cidade, fora do templo clamava, pois não havia "lugar para Sua Presença" com os Caifás e Anás religiosos e corruptos dominando os cultos, alimentando hipocrisias.
Mais tarde, encontramos uma cena triste e, muitas vezes, disfarçada, dada à nossa interpretação errada da passagem bíblica (pelo menos, minha interpretação errada, que via ali um convite ao pecador não crente para que o mesmo aceitasse a Jesus). Refiro-me à cena descrita por João, apóstolo, na carta de Jesus endereçada aos de Laodicéia: "eis que estou à porta e bato. Aquele que ouvir minha voz e abrir a porta Eu entrarei..."! Ora, a situação não é outra se não Jesus, O Senhor da Igreja, pedindo para entrar na igreja. E é fácil perceber porque Ele está do lado de fora. Leia e veja em Ap. 3: 14-20 que a igreja estava morna, causando ânsia de vômito e, agarrada às suas riquezas e capacidades, não percebia o quão miserável era.
O Senhor fora do templo, O Senhor fora da igreja! Será que temos a certeza de que o Reino está dentro de nós?


Nota. Ouvindo Ariovaldo Ramos tive melhor compreensão sobre o tema.

PENSAMENTOS - Extraído



“Deus fala o tempo todo. Nós é que não ouvimos, pois, somos barulhentos demais”


A qualidade da nossa vida espiritual esta diretamente ligada a capacidade que temos de ouvir a nós mesmos, aos outros e a Deus.


A semente precisa de tempo, escuridão, profundidade e silencio pra germinar”


“Não existem relacionamentos sem tensão”


“Desconfie de relacionamentos perfeitos, até porque, eles não existem”


“Quando você estiver diante do inexplicável, você esta diante do sagrado”


A gratidão é um sinal da graça de Deus em nós”


“Gratidão é reconhecer a bondade de Deus em toda existência e não apenas em ocasiões especiais”


A nossa humanidade é o grande projeto de Deus e ele não desistiu”


“Deus não criou nada melhor e mais belo que o ser humano”


“A humanidade é um lugar sagrado, pois, é o grande projeto de Deus”


“Todo trabalho de Deus é de convite e não de acusação”


“Nossa tendência é reverenciar os anjos e não as pessoas”






quarta-feira, 15 de outubro de 2008

PECADOS SEM MALDIÇÃO- POR RICARDO GONDIM

Desde a adolescência, organizei minha vida com valores religiosos. Freqüentei e lecionei em escolas dominicais. Militei em grupos de jovens cristãos. Estudei em um instituto bíblico. Conheci bem os bastidores do mundo religioso, tanto no Brasil como nos Estados Unidos.


Sincero e zeloso, sempre procurei cumprir as exigências de todas as instituições que participei. Se a igreja não permitia as mulheres cortarem o cabelo, briguei com a minha por aparar as franjas; se era pecado ir ao cinema, eu, que não aceitava essa proibição absurda, para evitar mau testemunho, viajava para longe se queria ver algum filme.

Relevei disparates, incoerências e hipocrisias eclesiásticas, porque considerava a causa de Cristo mais importante que as pessoas. Para não “escandalizar”, fazia vista grossa para comportamentos incompatíveis com a mensagem cristã.

Abraçado às instituições, acabei conivente de mercenários, alguns intencionalmente cobiçosos. Justifiquei tolices argumentando que as pessoas eram minimamente sinceras. Nem sei como me iludi a ponto de dizer: “fulano faz bobagem, muita bobagem, mas é sincero”.

Cheguei a um tempo de vida, que algumas reivindicações da religião perderam o apelo. Com tantas decepções, deixei de acreditar na pretensa santidade dos religiosos. Considero piegas as pregações de que Deus exige uma santidade perfeita. Lembro imediatamente dos malabarismos que testemunhei que tentavam falsear tantas inadequações, dos jogos de esconde-esconde para não expor demagogias.

Jesus não conviveu com gente muito certinha. Ao contrário, ele os evitava e criticava. Chamou os austeros sacerdotes de sepulcros caiados, de cegos que guiam outros cegos, de hipócritas e, o mais grave, de condenarem os prosélitos a um duplo inferno. Cristo gostava da companhia dos pecadores, que lhe pareciam mais humanos.

Jesus alistou pessoas bem difíceis para serem apóstolos; Pedro era tempestivo; Tomé, hesitante; João, vingativo; Filipe, lento em compreender; Judas, ladrão. Acostumado com os freqüentadores de sinagoga e com os doutores da Lei, por que ele não buscou seguidores nesses círculos? Talvez, não entendesse santidade e perfeição como muitos.

Jesus aceitou que uma mulher de reputação duvidosa lhe derramasse perfume; elogiou a fé de um centurião romano, adorador de ídolos; não permitiu que apedrejassem uma adúltera para perdoá-la; mostrou-se surpreso com a determinação de uma Cananéia; prometeu o paraíso para um ladrão nos estertores da morte. Sabedor das exigências da lei, por que Jesus não mediu esforços ou palavras para enaltecer gente assim? Talvez, não entendesse santidade e perfeição como muitos.

Para Jesus, santidade não significava uma simples obediência de normas. Para ele, os atos não valem o mesmo que as intenções. Adultério não se restringe a sexo, mas tem a ver com valores que podem ou não gerar uma traição.

O ódio que explode com ânsias de matar é mais grave do que o próprio homicídio. Para ele, portanto, pecado e santidade fazem parte das dimensões mais profundas do ser humano. Lá, naquele nascedouro, de onde brotam os primeiros filetes do que se transformará em um rio, forma-se o caráter. E santidade depende da estrutura do ser, com índole que gera as decisões.

Para Jesus, santidade se confunde com integridade; que deve ser compreendida como inteireza. As sombras, as faltas, as inadequações, os defeitos, bem como as luzes, as bondades, as grandezas, as virtudes, de cada um precisam ser encaradas sem medos, sem panacéias, sem eufemismos.

Deus não requer vidas perfeitinhas, pois ele sabe que a estrutura humana é pó; não exige correção absoluta, pois para isso, teria que nos converter em anjos.

As prostitutas, que souberem lidar com faltas e defeitos com inteireza, precederão os sacerdotes bem compostos, mas que vivem de varrer as faltas para debaixo dos tapetes eclesiásticos. O samaritano, que traduziu humanidade em um gesto de solidariedade, é herói de uma parábola que descreve como herdar o céu. O tempestivo Pedro, que transpirava sinceridade, recebeu as chaves do Reino de Deus. A mulher, que fora possessa de sete demônios, anuncia a alvissareira notícia da ressurreição.

Os mandamentos e a lei só serviram para mostrar que para produzir humanidade não servem os legalismos. Integridade e santidade nascem do exercício constante de confrontar suas luzes e sombras trazendo-as diante de Deus e mesmo assim saber-se amado por Ele.

Soli Deo Gloria.

terça-feira, 30 de setembro de 2008

NÃO BASTA - POR PAULO CILAS

Não basta ser igreja! A palavra igreja no seu original grego referia-se a todo ajuntamento, reunião do povo para determinado fim. Umas cinco vezes, pelo menos, o termo foi usado no Novo Testamento sem ter a mínima relação com a Igreja de Jesus.

Mas também não basta ser uma igreja de um Jesus qualquer. O nome Jesus, uma forma grega de Yeshua no hebraico, era muito comum . Muitos “Jesus” existiam! É necessário então, ser Igreja de Jesus, o Cristo!

Todavia, não basta seguir a qualquer cristo. Somos alertados quanto aos falsos cristos (messias a partir do hebraico - que quer dizer ungido) que vieram e virão a surgir. A eles são atribuídos poderes e milagres, sinais e maravilhas. Ora, como saber a que “cristo” seguir? Jesus nos alerta para que quando disserem : “Eis o cristo ali ou acolá” não podemos dar ouvidos.

Por fim, não basta ser uma igreja qualquer, muito menos de um qualquer “Jesus”. E nem seguirmos os muitos “cristos”. O que basta é sabermos que Ele é muito mais! Ele é o Deus Conosco, o Príncipe da Paz, o Pai da Eternidade. Percebemos isto em nós? O Seu caráter está infundido em nós? Sentimo-nos necessitados Dele? Entendemos Seu amor? Se a resposta é sim, isto nos basta!!!

PS. Não basta está arrolado no rol de membros de uma igreja local. Basta está inscrito no LIVRO DA VIDA DO CORDEIRO!

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

VERDADE VERSUS ALUCINAÇÃO- POR RICARDO GONDIM


O culto pegava fogo. O frenesi do povo crescia, estimulado por um pastor quase grisalho, engravatado e com bastante brilhantina nos cabelos. Mesmo acostumado a ambientes pentecostais, estranhei o exagero dos gestos e das palavras. Concentrei-me para entender o que o pastor dizia em meio a tantos gritos. Percebi que ele literalmente dava ordens a Deus. Exigia que honrasse a sua Palavra e que não deixasse "nenhuma pessoa ali sem a bênção".

Enquanto os decibéis subiam, estranhei o tamanho da sua arrogância. A ousadia do líder contagiou os participantes. Todos pareciam valentes, cheios de coragem. Assombrei-me quando ouvi uma ordem vinda do púlpito: "chegou a hora de colocarmos Deus no canto da parede; vamos receber nosso milagre e exigir os nossos direitos". Foi a gota d'água. Levantei-me e fui embora.

Os ambientes religiosos neopentecostais se tornaram alucinatórios porque geram fascínio por poder e pela capacidade de criar um mundo protegido e previsível. Por se sentirem onipotentes, buscam produzir uma realidade fictícia. Para terem esse mundo hipotético, os sujeitos religiosos chegam ao cúmulo de se acharem gabaritados para comandar Deus. É próprio de a religião oferecer segurança, mas os neopentecostais buscam produzir garantia existencial com avidez.

Em seus cultos, procuram eliminar as contingências, com a imprevisibilidade dos acidentes e os contratempos do mal. Acreditam-se capazes de domesticar a vida para acabar com possibilidade dos seus filhos adoecerem, das empresas que dirigem falirem e de se safarem, caso estejam no ônibus que despenca no barranco. Almejam uma religião preventiva, que se antecipa aos solavancos da vida. Imaginam-se aptos para transformar a aventura de viver em um mar de almirante ou em um céu de brigadeiro.

Acontece que essa idéia de um mundo sem percalços não passa de alucinação. Por mais que se ore, por mais que se bata o pé dando ordens a Deus, o Eclesiastes adverte: "o que acontece com o homem bom, acontece com o pecador; o que acontece com quem faz juramentos acontece com quem teme fazê-lo" (9.2).

Mas a pergunta insiste: por que os cultos neopentecostais lotam auditórios e ganham força na mídia? Repito, pelo simples fato de prometerem aos fiéis o poder de controlar o amanhã; de eliminar os infortúnios e canalizar as bênçãos de Deus para o presente. Quando oram, pretendem gerar ambientes pretensiosamente capazes de antever quaisquer problemas para convertê-los em fortuna e felicidade.

Esta premissa deve ser contestada. Pois, pedir a Deus para nunca se contrariar, ou para ser poupado de acidentes, significa exigir que Ele coloque os seus filhos em uma bolha de aço. A vida é contingente. Tudo pode ocorrer de bom e de ruim. Uma existência sem imprevisibilidade seria maçante. O perigo da tempestade, a ameaça da doença, a eminência da morte fazem, inclusive, o dia a dia interessante.

A verdade não produz necessariamente felicidade. Verdade conduz à lucidez. O delírio, porém, tranqüiliza e gera um contentamento falso. Muitos recorrem à religião porque desejam fugir da verdade existencial e se arrasam porque a paz que a alucinação produz não se sustenta diante dos fatos.

Cedo ou tarde, a tempestade chega, o "dia mau" se impõe e o arrazoamento do religioso cai por terra. Interessante observar que Jesus nunca fez promessas mirabolantes. Como não se alinhou aos processos alienantes da religião, Jesus não garantiu um mundo seguro para os seus seguidores. Pelo contrário, avisou que os enviaria como ovelhas para o meio dos lobos e advertiu que muitos seriam entregues à morte por seus familiares. Sem qualquer rodeio, afirmou: "no mundo vocês terão aflições".

Quando o Espírito conduziu Jesus para o deserto, o Diabo lhe ofereceu uma vida segura, sem imprevistos. As três tentações foram ofertas de provisão, prevenção e poder. Ciristo, porem, as rechaçou porque eram mentiras. O mundo que o Diabo prometieu não existe.

Acontece que as pessoas preferem acreditar nas suas ilusões. Fugir da crueza da vida é uma enorme tentação. Em um primeiro momento, parece cômodo refugiar-se da realidade, negando-a. É bom acreditar que a riqueza, a saúde, a felicidade estão pertinho dos que conseguirem manipular Deus.

O mundo neopentecostal se desconectou da realidade. Seus seguidores vivem em negação. Não aceitam partilhar a sorte de todos os mortais. Confundem esperança com deslumbre, virtude com onipotência mágica, culto com manipulação de forças esotéricas e espiritualidade com narcisismo religioso.

Os sociólogos têm razão, o crescimento numérico dos evangélicos não arrefecerá nos próximos anos. O problema, entretanto, é qualitativo. Assim, o rastro de feridos e decepcionados que embarcaram nessas promessas irreais já é maior do que se imagina.

A demanda por cuidado pastoral vai aumentar. Os egressos do "avivamento evangélico" baterão na porta dos pastores perguntando: "por que Deus não me ouviu?" ou "o que fiz de errado?". Será preciso responder carinhosamente: "não houve nada de errado; Deus não lhe tratou com indiferença; você apenas alucinou sobre o mundo e misturou fé com fantasia".vv

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

ENTRE O ÉDEN E A NOVA JERUSALÉM - POR PAULO CILAS

Não! Não estamos mais na inocência. Definitivamente fomos expulsos do Jardim da Perfeição quando escolhemos o conhecimento do bem e do mal sem possuirmos a maturidade necessária para tal. E por isso passamos a viver em meio às maldades nossas e dos outros sem podermos voltar atrás.
Também não chegamos ainda à Nova Jerusalém. Isso quer dizer que aqui ainda somos, além de culpados, corruptíveis. Sim, corruptos e frágeis. E quaisquer tentativas de mudar esta realidade, de não querer enxergá-la, nos levará a frustrações dolorosas e em muitos casos na perda de nossa identidade, pois, sempre que tentamos ser o que não somos a identidade é assassinada.
Como viver então? Já que não somos mais inocentes e não temos mais lugar no Jardim, e, somos tão corruptos ao ponto de “fazermos o mal que não queremos e deixamos muitas vezes de fazer o bem que queremos”. Vamos nos acomodar? Sermos iguais aos vivem desregradamente, sem temor, sem compromisso com Deus e Sua verdade? De maneira nenhuma!
A saída para nós, penso eu, ainda que com parco entendimento, é vivermos no lamento da queda na qual perdemos a pureza, mas, sem sermos derrotados pela derrota pois, alimentamos a esperança da “corruptibilidade sendo revestida de incorruptibilidade”. Aguardamos não mais o retorno da inocência e, sim, a maturidade de escolher o bem. Bem escancaradamente revelado em Jesus. O bem que vencerá todo mal e nos devolverá a perfeição original com a qual fomos criados.
Caminho assim entre o Éden e a Nova Jerusalém. Não sendo inocente, mas desejando a virtude. Sendo corruptível, porém ansiando pelos caminhos retos, as ruas de ouro e o mar de cristal da Nova Jerusalém. A qual não teria acesso se não fosse O SANGUE INOCENTE DE JESUS!

domingo, 24 de agosto de 2008

SOBRE DEUS - RUBEM ALVES

Alguém disse que gosta das coisas que escrevo, mas não gosta do que penso sobre Deus. Não se aflijam. Nossos pensamentos sobre Deus não fazem a menor diferença. Nós nos afligimos com o que os outros pensam sobre nós. Pois que lhes digo que Deus não dá a mínima. Ele é como uma fonte de água cristalina. Através dos séculos os homens tem sujado essa fonte com seus malcheirosos excrementos intelectuais. Disseram que ele tem uma câmara de torturas chamada inferno onde coloca aqueles que lhe desobedecem, por toda a eternidade, e ri de felicidade contemplando o sofrimento sem remédio dos infelizes.
Disseram que ele tem prazer em ver o sofrimento dos homens, tanto assim que os homens, com medo, fazem as mais absurdas promessas de sofrimento e autoflagelação para obter o seu favor. Disseram que ele se compraz em ouvir repetições sem fim de rezas, como se ele tivesse memória fraca e a reza precisasse ser repetida constantemente para que ele não se esqueça. Em nome de Deus os que se julgavam possuidores das idéias certas fizeram morrer nas fogueiras milhares de pessoas.
Mas a fonte de água cristalina ignora as indignidades que os homens lhe fizeram. Continua a jorrar água cristalina, indiferente àquilo que os homens pensam dela. Você conhece a estória do galo que cantava para fazer nascer o sol? Pois havia um galo que julgava que o sol nascia porque ele cantava. Toda madrugada batia as asas e proclamava para todas as aves do galinheiro: “Vou cantar para fazer o sol nascer”. Ato contínuo subia no poleiro, cantava e ficava esperando. Aí o sol nascia. E ele então, orgulhos, disse: “Eu não disse?”. Aconteceu, entretanto, que num belo dia o galo dormiu demais, perdeu a hora. E quando ele acordou com as risadas das aves, o sol estava brilhando no céu. Foi então que ele aprendeu que o sol nascia de qualquer forma, quer ele cantasse, que não cantasse. A partir desse dia ele começou a dormir em paz, livre da terrível responsabilidade de fazer o sol nascer.
Pois é assim com Deus. Pelo menos é assim que Jesus o descreve. Deus faz o sol nascer sobre maus e bons, e a sua chuva descer sobre justos e injustos. Assim não fiquem aflitos com minhas idéias. Se eu canto não é para fazer nascer o sol. É porque sei que o sol vai nascer independentemente do meu canto. E nem se preocupem com suas idéias . Nossas idéias sobre Deus não fazem a mínima diferença para Ele. Fazem, sim, diferença para nós. Pessoas que tem idéias terríveis sobre Deus não conseguem dormir direito, são mais suscetíveis de ter infartos e são intolerantes. Pessoas que têm idéias mansas sobre Deus dormem melhor, o coração bate tranqüilo e são tolerantes.
Fui ver o mar. Gosto do mar quando a praia está vazia da perturbação humana, Nas tardes, de manhã cedo. A areia lisa, as ondas que quebram sem parar, a espuma, o horizonte sem fim. Que grande mistério é o mar! Que cenários fantásticos estão no seu fundo, longe dos olhos! Para sempre incognoscível! Pense no mar como uma metáfora de Deus. Se tiver dificuldades leia a Cecília Meirales, Mar Absoluto. Faz tempo que, para pensar sobre Deus, eu não leio teólogos; leio os poetas. Pense em Deus como um oceano de vida e bondade que nos cerca. Romain Rolland descrevia seu sentimento religioso como um “sentimento religioso”. Mas o mar, cheio de vida, é incontrolável. Algumas pessoas têm a ilusão que é possível engarrafar Deus. Quem tem Deus engarrafado tem o poder. Como na estória de Aladim e a lâmpada mágica. Nesse Deus eu não acredito. Não tenho respeito por um Deus que se deixa engarrafar. Prefiro o mistério do mar… Algumas pessoas não gostam do que penso sobre Deus porque elas deixam de acreditar que suas garrafas religiosas contenham Deus…

terça-feira, 19 de agosto de 2008

SOBRE DEUS - POR RICARDO GONDIM

Não sei explicar as razões da minha fé. Não sei dizer os porquês da minha devoção. Sinto-me inadequado em convencer os indiferentes a desejaram a pitada do sal que tempera o meu viver. Tudo o que sei sobre o divino é provisório. Minha convicções vacilam. Todas as certezas são, decididamente, vagas.
Sei tão somente que Ele se tornou a minha meta, o meu norte, a minha nostalgia, o meu horizonte, o meu atracadouro. Apostei o futuro em seguir os seus passos invisíveis. No dia em que o chamei de Senhor, a extensão do meu meridiano se alongou, os retalhos do meu mapa se encaixaram, caíram os tapumes da minha avenida e o ponteiro da minha bússola se imantou.
Sei tão somente que Ele se fez residente no campus dos meus pensamentos. Presente nos vôos da minha imaginação, virou um doce ponto de interrogação. Causa de toda inquietação, tornou-se a fonte de minha clarividência.
Sei tão somente que Ele se desfraldou como bandeira sobre os meus ombros. E o cilício, as purgações, os sacrifícios, tudo foi substituído por desassombro. No porão da tortura, nos suplícios achei um ambulatório. Os livros contábeis, onde se registravam meus erros, foram rasgados. As punições, suspensas. Já não fujo dele como de um Átila. Eu agora o chamo de Clemente.
Sei tão somente que Ele ardeu o delicado filamento que acende a luz dos meus olhos. Ele foi o mourão que marcou o outeiro de minha alma como um jardim. Ele é o badalo que dobra o sino do meu coração; o alforje onde guardo as memórias.
Sei tão somente que Ele me fascina quando refrata a sua luz. O encarnado dele injeta o rubor do sol em mim. Seu amarelo traz o açafrão do mundo do mistério. O roxo, a púrpura da realeza. O branco, o pratear da lua. O preto, o nanquim celestial. O azul, a safira do mistério oceânico.
O que posso dizer de Deus? Nada! Espero, tão somente, que o meu espanto expresse reverência.
Soli Deo Gloria.

sexta-feira, 25 de julho de 2008

Vasos de Barro - Por Paulo Cilas

" Temos esse tesouro em vasos de barro, para que a excelência da glória seja do Senhor e não nossa." 2 Co.4:7

Praticamente vivi minha vida no ambiente de igreja. Posso dizer com tranquilidade (minha tranquilidade) que o maior problema que observei foi e é a insana tentativa da igreja em se tornar vaso de ouro: valioso e forte. Vi muitos se definhando na tentativa de serem melhores. Vi outros tantos frustados pelo caminho por terem falhado em algum momento. Pior, talvez: vejo uma grande massa vagando como aves migratórias buscando agora aquela "igreja" que enfim vai fazê-la imbatível, definitivamente invulnerável. E eu disse pior anteriormente? Acho que me enganei. Provavelmente o pior é ter visto inúmeras vezes "gente perfeita" apedrejando os fracassados impuros, indignos de estarem juntos de uma estirpe sacrossanta.

E, enquanto a compreensão do que é ser vaso de barro não vem, vamos deixando de cumprir princípios maravilhosos da excelência de Jesus em nossa existência. Chorar com os que choram fica inviável porque temos que ensinar aos que choram palavras, declarações e meandros da doutrina para que tais não se mostrem tão frágeis, afinal, "nosso Deus é forte e o diabo já está vencido". E seguir o conselho de Paulo aos Gálatas, então? No cap.6:1 ele diz que os espirituais devem restaurar em mansidão o pecador surpreendido . Deixamos ainda de compreender a Nova Aliança, que é perfeita, já que ela está disposta sobre pelo menos duas verdades centrais: a nossa total incapacidade em cumprir as regras da Antiga Aliança e a Graça indescritível revelada em Jesus que nos aceita como somos, barro. E ainda por cima vamos criando novos rituais pelos quais consigamos nos tornar "vasos de ouro".

Mas percebo que é difícil admitir nossa fragilidade. Dói muito reconhecer limitações, mesquinharias, vontades oportunistas e interesseiras travestidas, muitas vezes, ora até mesmo de piedade em nome de Jesus, ora de autoridade espiritual. Dói assumir que mesmo "maduros",vacilamos. Para muitos isto é por demais decepcionante.
Já para outros a dificuldade reside em abrir mão da aparência sempre vitoriosa uma vez que o mercado tanto secular como religioso assim exige. Não há lugar para fracos!

Agora, não importando as razões ou a falta delas que nos impedem de enxergarmo-nos como vaso de barro, o triste é desperdiçar a riqueza do tesouro do qual Deus nos fez receptáculo. Não é de admirar o porquê que muitos rejeitam Jesus, o porquê de querermos tanto ganhar esta vida aqui. Parece que esperamos em Deus somente para esta vida. Enfim, tudo contrário ao que está escrito na Bíblia. Somos nós querendo ser vasos valiosos desprezando com isto a excelência do Senhor e o tesouro nos dado graciosamente.

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Outros conselhos (in)viáveis - por Ricardo Gondim

Suspeite de quem sabe mostrar ares de piedade. Algumas pessoas aprenderam a arquear as sobrancelhas para baixo para mostrar que são puras. Elas são perigosíssimas. Prefira quem é mais solto, mais debochado, menos ciente de suas virtudes; os gasosos são melhor companhia que os circunspetos, que caminham com chumbo nos pés.
Evite sentar na roda de quem exige rigor semântico até na hora da conversa fiada. É intolerável estar perto de quem vive a corrigir os outros. Quando alguém diz que vai à igreja, ele dispara: “a igreja somos nós, não um prédio”; quando alguém confessa que anda desanimado, tem de escutar: “mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças”. Que horror!
Apure rigorosamente todo relato de milagre. Prefira ser cético que simplório. A verdade não deve temer análises, questionamentos, suspeitas. Mas dê um passo adiante. Pergunte-se também pelas motivações. Queira saber os porquês por detrás dos relatórios de eventos fantásticos. Os exageros, os prodígios forçosos, os números “evangelásticos”, em sua esmagadora maioria, só se prestam a alimentar os músculos financeiros de algum narcisista, instituição ou agência missionária; todos ávidos para alcançar os primeiros lugares no reino de Deus.
Saiba que por trás de todo rigor moralista existe uma mente sórdida. Anote: os mais inflexíveis contra a homossexualidade lutam contra as suas próprias tendências homo-eróticas. Quem se exaspera contra os “pecados da carne” é escravo da lascívia - Jesus os chamou de sepulcros caiados. A rigidez puritana não abrandou o fogo da libido, só a adoeceu. As taras mais grotescas, como sadismo, masoquismo, pedofilia e zoofilia se proliferaram em ambientes austeros e probos. Não tenha medo dos que advogam uma sexualidade lúdica e menos insalubre.
Fuja, acovarde-se, dê o fora, encontre um escape, faça qualquer coisa, mas evite os "tapetes azuis" do poder. Se for nomeado síndico, presidente de honra da quermesse ou venerando líder da igreja, saiba que os perigos são avassaladores contra a sua alma. Abra mão de títulos. Placas de bronze ou de acrílico, diplomas e medalhas não passam de confetes, semelhantes aos do carnaval, que perdem qualquer significado na quarta-feira de cinza. Quando lhe chamarem de senhor ou senhora repita o chavão: “Senhor, só o lá de cima”; “Senhora, só a mãe de Jesus”. Depois caia na gargalhada como se tivesse contado uma grande piada.
Soli Deo Gloria.

Conselhos (in)viáveis por Ricardo Gondim

Viver não é para amadores. Cuidado, não se perca! Portanto, muito siso.Cuidado com as palavras. Não fale sem pensar; não dispare conceitos sem considerar quem lhe ouvirá. Não prometa milagre sem levar em conta a mãe que, naquele exato momento, troca as fraldas do filho tetraplégico. Não se gabe de ter acordado com saúde; o que essa gratidão significará para o homem que mal se recuperou da hemodiálise? Nunca defenda verdades livrescas, proteja o que promove a vida, considera o perdão e espalha o bem.
Cuidado com o comportamento. Não priorize desafios estratosféricos, tenha tempo para as pessoas. Não lute para cumprir roteiros alheios, prefira a alegria de arrepiar a pele com o afeto gratuito de gente simples. Não se satisfaça em imitar os bem sucedidos, escolha ser um caderno cheio de rabiscos mal corrigidos a uma Suma acadêmica. Não permita que as suas convicções se tornem exigentes, não se deixe suicidar por sua lucidez. Cante mesmo desafinando e dê de ombros se lhe acharem biruta. Fale sozinho. Não tenha vergonha de brigar diante do espelho, aponte o dedo e diga: “como você é ridículo”.
Cuidado com as companhias. Exile-se de seu castelo e vá ao encontro da mulher que aprendeu a voar com a elegância das aves que fogem do inverno. Seja parceiro de quem não esconde a lágrima na hora da emoção. Enlace o amigo que saiu em busca de si – ele pode ajudar a encontrar o homem que um dia você foi. Contudo, não se blinde contra o medíocre, acolha graciosamente quem lhe feriu e seja longânimo com o vil. Desça ao fosso onde jazem e peça um traço de luz para colorir suas patéticas existências.
Cuidado com os sentimentos. Abra-se para o imponderável e se atreva a viver sem apoios. Não tema a insegurança do porvir duvidoso. Arrisque-se, exponha-se. O cauteloso acaba pachorrento. Vidas bem pautadas são exemplos de pusilanimidade. Coma fruta da árvore, sem lavar; dance bolero; tente aprender judô; seja voluntário da Cruz Vermelha; compre pastel de feira-livre.
Cuidado com o tempo. Fixe o átimo ligeiro em sua retina. Torne-se um colecionador de momentos. O tempo passa como uma enxurrada, leva tudo e todos, mas não destrói o que a “alma provou e aprovou”. A mente só guarda o que lhe trouxe alegria, portanto, aprenda a transformar os espaços em catedrais, os dias em sábados, os encontros em alianças e as preces em poesia.
Aconselho tanta precaução porque a vida é frágil e fácil o caminho para a infelicidade. Antes que o coração fatigado se recuse a bater, antes que os olhos se fechem com a tristeza da morte, insisto, tome cuidado.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

BABEL E O SALMO 8 - POR PAULO CILAS

No episódio da Torre de Babel enxergo algumas coisas interessantes, como o fato de que gente unida, com uma mesma linguagem, pode realizar algo grande, mesmo com propósitos totalmente errados. Neste caso, a "unanimidade foi totalmente burra".
Mas o que me chamou mesmo a atenção no relato de Gn.11:1-8 é que tanto Deus como o homem têm a mesma percepção sobre a real capacidade humana. Isto fica claro em duas declarações. Homem: "façamos nosso nome famoso construindo uma torre que toque os céus"! Muitas divagações ouvi sobre como seria essa torre, seu tamanho , etc. Fato é que tal empreendimento levou a outra declaração, agora de Deus: "de agora em diante nenhum intento será impossível ao homem"!
Ora, então percebo que verdadeiramente o homem não é tão incapaz e, se Deus não intervier, ele faz coisas tremendas. Aprendo também que muitas obras profanas e "sacras"são portentosas simplesmente porque Deus as abandonou juntamente com seus idealizadores e executores. Paulo, em Rm.1:21-25,28, afirma que Deus entrega o homem àquilo que quer viver e fazer. Então é até benção quando Deus "atrapalha nossa torre". É sinal que Ele ainda se importa.
Contudo, o homem pode usar sua capacidade sem se desviar para a soberba, egoísmo e, por fim, se afastar totalmente de Deus. É aí que entra determinantemente o Salmo 8. A capacidade do homem também está clara ali. A grande diferença é o ângulo por onde o homem se vê. O salmista sabe que Deus o coroou de honra e glória e o colocou como dominador sobre tudo. A propósito, uso muito esse argumento em formaturas. Afinal, em princípio, quando nos especializamos, ficamos aptos para "dominar". Bom seria que tudo fosse em prol de todos!
Mas voltemos ao salmista. Ele também faz uma comparação: "que é o homem para que se lembre dele"! É isso! Enquanto em Babel, coroado de poder realizador, o homem quer fazer-se célebre, no salmo ele reconhece que não é nada diante da "construção" de Deus. "Ah, quando vejo os céus, obra dos teus dedos..."
Em Is. 57:15 está escrito que Deus habita em dois lugares: no lugar alto e sublime - isso, entendo, quer dizer que tudo que eu fizer: templos grandiosos, corais instrumentais e vocais, parafernália tecnológica ,ou seja , TORRES, nada, absolutamente nada chegará aos pés daquilo que O ALTO E SUBLIME SENHOR já possui. Mas, também está escrito que Ele habita com o contrito de coração. Então, podemos construir tudo isso e tudo isso ser bom, ser bênção. Se Deus habitar em nosso coração.
Por certo Deus não habitará em Babel, mas com certeza no Salmo 8.

Paulo Cilas

terça-feira, 8 de julho de 2008

FAST FOOD ESPIRITUAL - POR PAULO CILAS

Antigamente as lanchonetes serviam para que alguém, sem tempo para uma boa alimentação, "enganasse o estômago". Era o tempo em que a coxinha de galinha vinha com o osso da própria galinha como suporte; era o tempo também em que vinha mais galinha e menos massa. Pois bem, o tempo passou e o que deveria ser um "quebra galho" tornou-se cada vez mais efetivo, ou seja , mesmo tendo tempo para almoçar ou jantar, muitos continuam a preferir o que se passou a chamar fast food - comida rápida; que embora dito rápida teve tempo para novas criações e logo foram popularizados os "burguers", as pizzas, shakes e outros. E todos eles com cheiros estonteantes, aparências soberbas e paladares arrebatadores. Resistir, quem há de?
Mas, vieram as consequências de uma alimentação desequilibrada . Obesidade, colesterol alto e outros efeitos igualmente perniciosos.
Lamentavelmente, a mesma sanha por soluções rápidas ou por coisas que agradem nosso olfato, visão e paladar "espirituais" nos levou para longe de hábitos realmente salutares para nossa vida espiritual. Verdadeiramente os demônios expulsos nos alegram mais que o nosso nome escrito no livro da vida. As "campanhas" tornaram-se mais fundamentais do que o aprendizado contínuo da Palavra de Deus. Os pregadores de uma nova receita (visão ou unção) ficaram imprescindíveis nas cozinhas eclesiásticas. O resultado? "Crentes" pesados demais, às vezes com muita energia, mas pouco nutriente. Muita comida, mas pouco alimento. Totalmente em desequilíbrio!
Sei que pizza ,"burguers" têm seus encantos, são até legais em algum momento. Entretanto, essencial mesmo é o cardápio do Senhor. Sempre balanceado e que jamais cede à nossa gula e preferências.
Paulo Cilas

terça-feira, 1 de julho de 2008

HÁ CONTROVÉRSIAS

Gostamos de afirmações categóricas, declarações definitivas e certezas. Não gostamos de perguntas, considerações provisórias, dúvidas, debates e discussões. Gostamos de respostas prontas e critérios claramente definidos. Não gostamos de probabilidades, possibilidades e indicadores relativos. Gostamos de "isso ou aquilo". Não gostamos de "isso e aquilo". Gostamos de "certo e errado". Não gostamos de "nem certo, nem errado", apenas diferente. Deus é amor. Deus é justiça. Quando, então, devemos agir com amor, e quando devemos optar pela justiça? Exigimos: uma coisa ou outra, categoricamente, sem necessidade de interpretações. Dizer que somente a ação amorosa é justa e somente a ação justa é amorosa deixa margens para mal entendidos e, consequentemente, confusão. Melhor é escolher entre uma coisa e outra; as duas, não dá. Ou amor. Ou justiça. Talvez por isso sejam poucos os que se aventuram pelas trilhas do discipulado de Jesus. Seguir a Jesus implica abandonar o jugo da lei para buscar a justiça do reino de Deus. A justiça sempre extrapola a lei. O ser humano é complexo demais para que suas ações sejam resumidas a um conjunto de "isso pode e isso não pode". A vida é complexa demais para que tenha suas circunstâncias definidas em termos absolutos por mandamentos, regras e normas de procedimento. A vida não cabe num manual. Responda rápido: meu filho adolescente não está bem na escola. Devo ser duro na disciplina ou compreensivo nesta fase de conflitos e mudanças? Estou absolutamente convencido de algo, mas minha esposa não quer assumir riscos. Devo seguir em frente e fazer a coisa sozinho ou devo esperar um pouco mais para tentar chegar a um consenso? Meu marido não agüenta mais a pressão no trabalho. Devo encorajar que ele peça demissão e cuide de sua saúde psíquica e emocional ou devo ajudá-lo a superar essa fase difícil, lembrando a dificuldade que é arrumar um outro emprego? Meus pais se intrometem demais na educação que dou aos meus filhos. Devo ter uma conversa franca com a mamãe e arrumar uma tremenda confusão ou devo continuar pedindo ao meu marido que compreenda minha situação e administrar nosso conflito conjugal? Meu amigo me confessou um pecado. Devo contar a quem de direito e forçar a solução da situação ou devo dar a ele o tempo de que precisa para tomar providências – quanto tempo devo dar a ele? Descobri uma falcatrua na empresa. Devo colocar a boca no mundo e denunciar os colegas ou devo ficar quieto, deixando que os responsáveis cuidem do problema? Tenho um ótimo funcionário que compromete o ambiente da equipe. Devo manter o funcionário e sacrificar a equipe ou preservar a equipe e sacrificar o funcionário? Meu pai está em tratamento médico. Devo vigiar rigorosamente seus hábitos alimentares ou devo deixar que ele faça uma extravagância de vez em quando? Pois é, a vida é assim. As coisas que realmente importam não têm respostas fáceis, nem exatas, nem podem ser padronizadas em conselhos do tipo “faça sempre assim” ou “nunca faça isso”. Tomar decisões é uma arte que carece de boa consciência. E a boa consciência não é aquela que sabe, é aquela que ama. Como bem disse Santo Agostinho, “ama, e faze o que quiseres”, o que significa que quando a gente ama não existe certo e errado, certo?
ED RENE KIVTZ

EVIDÊNCIAS DE VÍCIO MENTAL

Uma das marcas de saúde mental de uma pessoa é a sua capacidade de variedade de temas, interesses, assuntos e uma abertura total para tudo que seja humano e vida. Portanto, a maior marca de saúde mental é a alegria de ser, amar, conhecer, e participar da vida, fazendo isso com amor e bom senso; e sem medo da dor, especialmente da dor do amor. Uma pessoa fixada num tema só, por mais que chame aquilo de “meu amor e minha paixão” ou, em certos casos, de “minha vocação”, ou de “minha obrigação”, se, todavia, se fixa naquilo como coisa única, e por tal fixação torna-se juiz de quem não tem o mesmo interesse ou não o tem na mesma intensidade ou, ainda, que manifeste outros interesses e prioridades, demonstra, por tal atitude de juízo fundado em sua própria fixação, que se fez vítima de um vício mental dos mais perigosos e também, por certo, dos mais capazes de reduzir a mente e a existência de uma pessoa a uma espécie de tara temático-existencial.Quando uma pessoa se fixa num único tema na vida —seja pela via de um trauma, seja pela força de desejos reprimidos e transformados em “causa de vida”—, por tal fixação, evidencia o fato de que sua mente está viciada. A questão é que vícios mentais não são apenas coisas que permanecem na psique da pessoa. De fato, quando não se trata de um problema congênito ou hereditário na área mental, em geral o que acontece é que quando a alma se entrega um certo modo de sentir — seja em brigas domésticas, seja uma relação viciada na tragédia e no desamor, seja um poderoso condicionamento de natureza sexual, seja a fuga de intimidade, seja o ódio, seja a amargura, etc —, o que acontece é que a presença contínua desse “sentir”, demanda do cérebro certas liberações químicas que façam “compensação” frente ao stress ou frente à hiperexcitação ou às oscilações ou a qualquer coisa que caracterize um modo de sentir intenso. E tais “descargas” químicas de compensação acabam por se tornarem programas cerebrais que passam a operar por conta própria; e, agora, invertendo a ordem, ou seja: já não necessariamente sendo a psique exigindo participação do cérebro, mas o contrário: o cérebro, agindo de modo condicionado, descarrega o que antes era um “socorro” para uma situação vivida como experiência emocional, a qual, agora, passa a ser demandada pelo cérebro, o qual exige aquele comportamento compatível com a liberação química em curso. Vícios mentais, portanto, são como uma cobra que se alimenta do próprio rabo! O problema é: onde está a mente sadia?Para mim Jesus é o exemplo da mente mais sadia possível, e, portanto, aberta a tudo e todos; exatamente como Deus, que manifesta Seus interesses e variedades temáticas na multiformidade da criação. Jesus mostra interesse pela variedade da vida assim como Seu Pai foi variado e extravagante em tudo o que criou. Sim, porque até as maiores sutilezas da criação estão carregadas de extravagância divina. Jesus foi um carpinteiro por profissão, e nunca chegou a ficar nem de longe velho, tendo morrido jovem. Entretanto, já menino, no templo, chocava os mestres com suas questões e interesses acerca de coisas elevadas, porém, no lugar certo e com as pessoas certas. Nunca estudou, mas lia. Nunca plantou, mas observava o trabalho do agricultor. Nunca escreveu, mas sabia qual era a presunção de um copista do sagrado. Nunca namorou, mas sabia como ser carinhoso com as mulheres. Nunca teve ovelhas, mas sabia, pela observação, como um verdadeiro pastor se portava. Nunca foi casado, mas sabia como uma dona de casa ficava feliz quando achava algo precioso que se havia perdido. Nunca foi pai, nunca foi pródigo, nunca foi um irmão ciumento, mas sabia como todos os três personagens se sentiam em cada situação. Nunca foi desonesto, mas sabia como um administrador infiel se sentia quando apanhado em flagrante. E, assim, Ele demonstra também como um pai de família deve se comportar se um ladrão se aproximar. Sabe que a pobreza é crônica na terra; conhece o modo como os políticos dominam sobre os povos; sabe o que sente uma mulher dando à luz um filho. E não evita a emoção do choro, da dor, da tristeza, da alegria, do suor de sangue, do vinho melhor, do medo da cruz, e da oração para ter força para não morrer fora dela; e vive cada coisa, cada dia, não se deixando escravizar por nenhum tipo de aflição ou preocupação.Sim, Jesus tinha a mente mais despreocupada do mundo, ao mesmo tempo em que era a mais responsável da Terra. Sobretudo, além de ser pela variedade de Seus interesses, indo de crianças a velhinhas, vê-se Sua saúde mental na Sua total vitória sobre a ansiedade. Ele faz gestão leve até da hora da morte. “Não é a hora”, diz Ele. Até o dia em que Ele diz: “Chegou a Hora”. E Sua despedida de Seus amigos e discípulos não poderia ter sido mais própria, mais grave e, ao mesmo tempo, mais esperançosa; mais verdadeira e também protetora das limitações de percepção deles. Assim, aprendendo com Jesus, busque interessar sua mente por tudo, sempre apenas retendo o que é bom. E se você perceber que se irrita com qualquer coisa que não seja o seu “tema”, preste atenção, pois já é forte sinal de que a sua mente e cérebro estão viciados ou se viciando. E isso não é brincadeira. É pior do que qualquer outro vício. Pense nisso!


CAIO FABIO

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Frases

Todo sofrimento gera aprendizado. Infeliz daquele que somente sofre!

Uns comem o pão que o diabo amassou, outros o pão que amassou o diabo!

SALVOS PRA SERVIR - Pb. Valdo Brito

A noite vai adiantada, o grande dia está próximo, temos que nos despir das obras das trevas e nos revestir das armas da luz. Não...