quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Queria ser só pastor... - Paulo Cilas

Resultado de imagem para pastor desnecessario
Sim,queria ser só pastor. Sendo só pastor teria, e tenho, a consciência do zelo pela sã doutrina. Que pregar o evangelho não é um projeto pessoal mas uma missão maravilhosa de resgate de vidas para a eternidade. É caminhar junto aos demais nas sendas  amargas, duras e tristonhas da vida. Mas também nos alegrar em caminhar na presença do Criador desfrutando de Sua criação.
Como pastor tenho perfeitamente claro que honra não se exige. Se dá e se recebe. Tudo em amabilidade humilde.
Como pastor sei que não agradarei sempre a todos, pelo contrário, desagradarei até quando falar verdades inequívocas. Alguns se afastaram, se afastam e se afastarão...
Como pastor sei que não devo arregimentar "multidão com promessas ditas espirituais". Mas devo tentar sempre alcançar o maior número possível de gente com 'O Verbo Vivo", que concentra em Si mesmo todas "as verdades",  e que liberta  verdadeiramente essa gente.
Como pastor sei que devo confiar que O Senhor me sustentará, e não ficar pensando muito que meu sustento vem da fé dos outros, afim de não ter de "fazer de tudo" para que membros não saiam e que outros tantos entrem. Sei que não devo fazer comércio das pessoas 2 Pedro 2: 1-3 
Como pastor sei que não sou o detentor de toda inteligência, sabedoria e santidade. Sei que não sou superior a ninguém e nem melhor.
Mas... eu não sou só pastor. Antes, sou gente! Ora fraco, ora forte. Ora confiante, ora temeroso. Sabendo a verdade, e mesmo que sem negá-la, ser receioso.
Sou gente! Por isso firo e sou ferido. Por isso amo e tenho raiva. Sou forte e , logo adiante, fraco.
Consigo ser extraordinário e ordinário quase que no mesmo momento.
Ora brado nos montes, ora me enfurno nas cavernas.
"Sei que em mim, isto é, na minha carne, não reside bem algum... Mas dou graças a Deus por Jesus Cristo". Rm. 7:18, 25
Sou um  pastor desnecessário ( alusão ao livro de Eugene Peterson) para os dias de hoje. Não faço marketing pessoal nem da igreja. Não tento suprir o "mercado religioso" com garantias de vidas perfeitas.  Mas como sou gente, às vezes sinto uma "invejinha" dos pastores bem sucedidos e famosos.
Tenho deficiências até demais para um pastor. Mas, de alguma maneira, O Autor da Vida, O Eterno viu uma flor a brotar do galho seco. De vez em quando desconfio, ainda que com temor preventivo rsrs, da visão Dele.
Sou pastor há um pouco mais de 33 anos. Numa mesma igreja, 30 anos. Ainda tenho dúvidas, fraquezas, incapacidades e medos.
Mas tenho certeza de duas coisas: Primeira, do amor de Deus em Cristo Jesus!
                                                       Segunda, sou gente!
  

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

Minha Noite Escura da Alma - Charles Colson com Anne Morse



A Igreja Não Me Preparou Para Essa Batalha.
Sou produto do melhor do movimento evangélico: Convertido 32 anos atrás em meio a uma torrente de lágrimas após ouvir o evangelho, discipulado por um grupo de oração forte e ensinado por grandes teólogos. Conheço o poder do movimento evangélico em levar pessoas a ter um relacionamento íntimo com Deus. Que acontece, porém, quando você, que sempre confiou nesse relacionamento íntimo, começa viver dias em que Deus parece distante? Que acontece naquela noite sombria de nossa alma?
 
Descobri no ano passado, semanas após terminar meu livro The Good Life [Vida Boa], que havia sido diagnosticado um câncer ósseo em meu neto, Wendell. A cirurgia para retirar o tumor maligno levou 10 horas; o dia mais longo de minha vida. Wendell sobreviveu, mas continua em quimioterapia.
 
Mal havia conseguido recuperar o fôlego, quando foi diagnosticado melanoma em minha filha, Emily. De volta ao hospital, mais uma vez orei fervorosamente. Logo em seguida, minha esposa, Patty, submeteu-se a uma séria cirurgia no joelho. Onde estava minha “Vida Boa”?
 
Exausto de hospitais, dois anos depois de escrever The Good Life, enfrentei uma terrível situação com um ex-empregado desapontado. Encontrei-me lutando com o Príncipe das Trevas, que nos ataca quando estamos mais fracos. Então, caminhando certa noite, perguntei a Deus por que permitira tudo isso. Sozinho, abalado, atemorizado, tive saudades de minha proximidade com Deus, experimentada até mesmo nos dias mais difíceis em que estive preso.
 
A resposta chegou em setembro. De pé, sozinho, na varanda da casa de um amigo, apreciava as montanhas que despontavam da névoa. Era uma cena espetacular. A glória da criação de Deus me emocionou. É impossível ignorá-lo como o Criador. Percebi, então, que não há outra explicação racional para essa realidade: Deus não pode não ser.
 
Isso mexeu comigo de tal maneira que me levou a perceber que as agonias pelas quais passava não exigem uma resposta que faça sentido. Deus não é uma criação de minhas emoções ou sentidos. Deus é Deus, aquele que criou e tem a responsabilidade pelo destino de minhas crianças e pelo meu. Somente posso me apegar à certeza do que Ele é e afirmou.
 
Não estou certo sobre como o mundo evangélico contemporâneo nos prepara para lutas como essas, que, suspeito, muitos cristãos experimentam, mas temem admitir devido às expectativas que criamos. Nesse momento, podemos nos fortalecer com a tradição teológica mais antiga e mais rica, pouco familiar para muitos de nós. O ponto fundamental dessa antiga tradição é que a fé se torna mais forte quando estamos desconsolados e precisamos caminhar na escuridão em completo abandono. No século. XVI, Teresa de Ávila, que sofria de paralisia, e João da Cruz, perseguido e preso, que escreveu Noite Escura da Alma, são bons exemplos dessa tradição.
 
Evangélicos precisam confiar em mais do que músicas animadinhas, respostas banais e sorrisos felizes. Precisamos mergulhar nos tesouros da tradição cristã para aprender o que significa realmente adorar a Deus, não por causa das circunstâncias, mas apesar delas.
 
Os eventos de 2005 tornaram minha fé mais profunda. Inúmeras vezes, experimentei Deus e sua providência, mas também conheço a noite escura da alma. Percebi que Deus não é apenas o amigo que me dá a mão, mas também o grande, o majestoso Criador que reina para sempre.

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Frases do genial G K CHESTERTON

"Há grandes homens que fazem com que todos se sintam pequenos. Mas o verdadeiro grande homem é aquele que faz com que todos se sintam grandes".

"Louco não é o homem que perdeu a razão. Louco é o homem que perdeu tudo menos a razão".

"Uma das grandes desvantagens de termos pressa é o tempo que nos faz perder".

"Existe um caminho que vai dos olhos ao coração sem passar pelo intelecto".

"O amigo de um homem gosta dele, mas deixa-o ficar como ele é; a mulher de um homem ama-o, e está sempre a tentar transformá-lo noutro homem".

"Não foi o mundo que piorou, as coberturas jornalísticas é que melhoraram muito".

"A coragem significa um forte desejo de viver, sob a forma de disposição para morrer".

"Quem acende uma luz é o primeiro a se beneficiar da claridade".

"Não há assuntos pouco interessantes; apenas há pessoas pouco interessadas".

"Os homens que realmente acreditam em si mesmos estão todos em asilos de 
loucos".

"Pobre daquele que está cansado de tudo, porque tudo e todos estão sempre certamente cansados dele".

"Um sujeito suficientemente esperto para ganhar muito dinheiro tem se ser suficientemente cretino para querer esse dinheiro".

"Cheguei à conclusão de que o otimista achava tudo bom menos o pessimista, e o pessimista achava tudo ruim, menos ele mesmo".

"Sou homem e, por conseguinte, trago todos os demônios no meu coração".

"A Bíblia nos ensina a amar o próximo e também a amar nossos inimigos provavelmente porque eles em geral são as mesmas pessoas".


terça-feira, 8 de outubro de 2019

Estamos sendo formados e isto é bom, mas pode ser ruim - paulo Cilas

A palavra do SENHOR, que veio a Jeremias, dizendo:
Levanta-te, e desce à casa do oleiro, e lá te farei ouvir as minhas palavras.
E desci à casa do oleiro, e eis que ele estava fazendo a sua obra sobre as rodas,
Como o vaso, que ele fazia de barro, quebrou-se na mão do oleiro, tornou a fazer dele outro vaso, conforme o que pareceu bem aos olhos do oleiro fazer.
Então veio a mim a palavra do Senhor, dizendo:
Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel? diz o Senhor. Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel.

Jeremias 18:1-6

Nesse texto o Senhor está dizendo a Jeremias para observar o oleiro. Que o oleiro quando está dando forma ao barro, transformando-o em vaso, ao perceber que algo está errado automaticamente começa a reconstruí-lo.
Tive uma visão particular ou uma aplicação pessoal sobre esse texto que quero compartilhar com você. O oleiro só trabalha o barro-vaso enquanto esse estiver maleável. É impossível trabalhar o barro uma vez ele endurecido. Penso que ao ler que o vaso quebrou (Jr v.4), imaginamos imediatamente um vaso pronto sendo quebrado, entretanto não é essa a realidade encontrada aqui. O oleiro só recomeça como disse acima, enquanto em condição de modelação.
O que eu quero dizer com isso é que: ser um vaso em construção é estar maleável nas mãos de Deus. Esse texto é aplicado à nação de israel. O Senhor está dizendo que se o oleiro faz isso com o barro, Ele também fará isso com Israel. Ou seja, Israel ainda está e continua em formação porque resta algo a se cumprir com esse povo.
Igualmente podemos tomar esta palavra pra nós s, seja com a igreja ou com o indivíduo. Enquanto nos acharmos e tivermos consciência de que estamos em construção, o Senhor terá em suas mãos uma matéria prima para reconstruir, remodelar e aperfeiçoar quantas vezes forem necessárias. Contudo, se nos acharmos prontos, terminados e donos de nossa própria vida, havendo imperfeição assim ela permanecerá. Não será refeito.
Obs. Penso que é nesse sentido que Jesus disse: O médico vem somente para o doente...Mc.2:17
Esta é a diferença de uma vida que humildemente se vê incompleta, errática, imperfeita, mas que continua nas mãos do oleiro, para aperfeiçoamento, da vida que se acha pronta e endurecida, porém cheia de defeitos não mais “consertáveis”. Uma vez quebrada assim ficará.
Textualmente falando, o barro-vaso na mão do oleiro é mole e o oleiro pode fazê-lo, desmanchá-lo, refazê-lo várias vezes enquanto achar defeito.
O barro endurecido já não estará nas mãos do oleiro. Assim ele é e assim ficará. Mas para as mãos do oleiro não voltará mais!

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

O PASTOR DO CAMPO - George Herbert


                                     
Ó Todo-Poderoso e sempiterno Senhor Deus! Ó majestade, poder, esplendor e glória!
Como ousaremos comparecer perante tua face, nós que te contrariamos em tudo o que és? Pois somos fraqueza, imundície e vergonha. Miséria e pecado enchem nossos dias. No entanto, tu és nosso Criador, e nós, a tua obra. Tuas mãos nos criaram e também nos fizeram senhores de todas as tuas criaturas, dando-nos um mundo dentro de nós mesmos e outro para nos servir. Depois nos puseste no paraíso e ainda continuavas agraciando-nos com teus favores, até que contrariamos teus conselhos, baldamos teus propósitos e vendemos nosso Deus, nosso glorioso e bondoso Deus, por “um fruto proibido”. Sim, escreve aí! Grava isso na nossa testa para sempre: por um fruto proibido outrora perdemos nosso Deus e ainda o perdemos por nada mais que isso, por dinheiro, comida, pensões. Mas tu, Senhor, és a paciência e compaixão, doçura e amor. Por isso não somos destruídos. Tu elevaste tua misericórdia acima de todas as coisas e fizeste da nossa salvação, não da punição, a tua gloria. De modo que assim onde sobejou o pecado, não a morte, a graça foi ainda mais profusa. Da mesma forma, quando pecamos excedendo todas as medidas no céu e na terra, tu disseste: Eis-me aqui! Então o Senhor da vida, incapaz ele mesmo de morrer, concebeu um jeito de fazê-lo: encarnou-se, chorou, morreu. Morreu por seus inimigos, até pelos que zombaram e ainda zombam dele. Bendito Salvador! As muitas águas não poderiam apagar teu amor! Nenhum abismo poderá engolfá-lo. Mas embora os rios do teu sangue fluíssem pelas trevas, pelo sepulcro e pelo inferno, contudo, superando esses conflitos e aparentes riscos, tu ressuscitaste triunfante, e assim nos fizeste vitoriosos.

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

LIBERDADE E PROIBIÇÃO - PAULO CILAS


Já há algum tempo escrevi sobre a mentira que tomou conta do homem em Genesis 3. Retomo ao mesmo capítulo  me atendo na liberdade dada ao homem e a posterior proibição impingida a ele. A liberdade está clara: “De toda arvore comerás menos a do “conhecimento do bem e do mal”. Muito embora haja uma restrição a uma “arvore” não houve, contudo, impedimento para que tal acontecesse. Ou seja, liberdade tão plena que contemplava até o “direito” de desobedecer. A grande mentira contada ao homem -que teria o mesmo conhecimento de Deus e por isso seria igual a Deus - foi bem recebida. Sabemos, entretanto, que o homem mesmo sabedor do pior castigo – a morte – vive pensando ter liberdade total. E na tal liberdade enfia “o pé na jaca”. É triste, por exemplo, ver meninos e meninas cada vez mais cedo só “curtindo a vida” devidamente aditivados pelo álcool e outras drogas. É! E sem "droga" não conseguem se divertir. A mesma coisa pode ser aplicada ao sexo, cada vez mais precoce. Não! Não sou moralista e muitos menos ingênuo a ponto de demonizar toda bebida e os festejos em que ela se faz presente. Também não ignoro a força da sexualidade. O que me espanta é a escravidão se tornar sinônimo de liberdade. É a dependência absurda em que o homem se submete julgando- se no controle. Dominado, mas, sentindo-se senhor. O homem não sabe lidar com o conhecimento do bem e do mal. Perde-se rápido. Engana-se e é enganado facilmente. 
Bem, se na liberdade da perfeição havia apenas a recomendação para sequer tocar “no conhecimento” agora, na desobediência e conseqüente expulsão do lugar perfeito, é imposta uma proibição taxativa. Querubim e espada guardam a árvore da vida. Pois é, O homem em pleno gozo da liberdade e conhecimento do binômio bem/mal está proibido de tocar na “vida”. Pretensamente livre mas condenado à morte! E agora proibido de viver resta ao homem – se quiser continuar vivendo – sujeitar-se. Abrir mão de toda sua liberdade e render-se a Jesus. A volta à árvore da vida passa por ELE. E isto é totalmente loucura para a mente iluminada da humanidade. É paradoxal. Mas a Porta estreita de entrada é a mesma de saída que nos faz encontrar campos abertos. Perco para ganhar. Morro para viver. Na minha liberdade me tornei escravo e morri. Quando me rendi a Jesus fiz-me servo e Ele me chamou de amigo. Renunciei ao que julgava ter e não tinha, me tornando herdeiro do que jamais pensei existir. Descobrir que já não há mais proibição e, sim, proteção. Sou livre de novo!

terça-feira, 23 de julho de 2019

DEUS CONVERTE TUDO EM BENÇÃO - Pb. Valdo Brito


Está na Bíblia, devemos acreditar que tudo o que acontece em sua vida contribui para o seu bem (Rm 8:28). Temos que ser claro que é promessa para os que são chamados e amam a Deus. Deus faz com que todas as coisas que nos machucam se revertam para o nosso bem. Vou repetir o que já disse como surge uma pérola. Ela é uma ferida curada.

Pérola é produto da dor, resultado da entrada de uma substancia estranha ou indesejável no interior da ostra, se um grão de areia, por exemplo, entra no interior da ostra uma substancia chamada nácar cobre o grão de areia com camadas e mais camada a fim de proteger o corpo indefeso da ostra como resultado surge um linda perola.

Perola é produto de uma ferida cicatrizada!

Você já se sentiu ferido por palavras rudes de um amigo, já foi rejeitado por ter dito o que não disse, ferido por ingratidão, rejeição, decepção e isto feriu tua alma como um punhal? Saiba que é nessas horas que você pode produzir uma pérola.

Lições preciosas surgem em nossa vida em meio às feridas cicatrizadas. Cubra as sua ferida e mágoas com amor, cubra com camadas de perdão.

Nossas maiores virtudes e as mais profundas experiências nascem em meio à dor.
O seu sucesso depende de você hoje. Não estrague o seu futuro ficando preso ao passado. Cuidado com as suas amizades, pois afastar-se de pessoas erradas é tão importante como aproximar-se de pessoas certas.

Agradeça a Deus por tudo, mesmo pelas coisas que não vão bem. Deus nos cura das feridas e depois de curados Ele nos usa para que com nossas experiências possamos ajudar outros na mesma área. Aquilo que para nós foi derrota, fracasso e humilhação se tornam nosso chamado para um ministério. Deus converte tudo em bênçãos!

Queria ser só pastor... - Paulo Cilas

Sim,queria ser só pastor. Sendo só pastor teria, e tenho, a consciência do zelo pela sã doutrina. Que pregar o evangelho não é um projeto p...