quarta-feira, 8 de agosto de 2018

CINCO DEDOS


Esta é uma analogia na qual vamos comparar cada dedo das mãos com cinco personagens bíblicos que estiveram com Jesus, receberam mensagem de salvação, mas não se tornaram discípulos. Razão pela qual considera-se “quase cristãos”. Comparo estes personagens com muitos existentes em nossas igrejas atuais.

POLEGAR:
Dos cinco dedos quatro estão interligados, o polegar é livre e o único que toca em todos os outros. Comparo com aqueles que sempre estão em contato com os crentes, cumprimentam, abraçam, ouvem, mas vão e voltam sem nunca se ligarem. A estes eu digo que são “amigos do evangelho”. Exemplo bíblico de um quase cristão foi Nicodemos, que acreditava em Jesus enviado do céu, recebeu de Jesus a mensagem do novo nascimento e ouviu uma das mensagens mais lindas da Bíblia (Jo 3.16), mas nunca foi um discípulo de Cristo após a visita que fez a Jesus. Só perto da morte O defendeu conta os sacerdotes (Jo 7.50-52) e ajudou no sepultamento (Jo 19.39-40).

INDICADOR:
É o dedo indicando tudo e todos com objetivo de criticar. Criticam os sermões, as vestimentas, forma grupinhos, tem como objetivo julgar. Em Mateus 7.1-2 recomenda-se não julgar para não ser julgado e Rm 14.12 diz que cada um dará contas de si mesmo a Deus. O exemplo bíblico são os fariseus que não saíam de perto de Jesus, davam atenção às mensagens, mas só para criticar; procurando só demonstrar serem conhecedores da palavra do Velho Testamento só para contrariar.


MÈDIO:
O dedo que se destaca, representam em nossas igrejas aqueles que só querem estar por cima, mandando, dominando. São os maiorais. Se já leram na Bíblia que os exaltados serão humilhados estão despercebidos. Pilatos foi a maior autoridade humana que esteve perante Jesus. Dizia ter poder para livrar ou prender Jesus (Lc 23.4) acreditou na inocência de Jesus, mas para não descer na posição preferiu mandar crucificá-lo (Jo 19.16).

ANELAR:
São os comprometidos com o mundo, o Diabo e a carne. Anel ou aliança indicam posição privilegiada para o bem ou para o mau. Jesus narra em Lucas 14.16-24 as desculpas para não irem a uma festa por serem comprometidos. Na igreja há divisão entre os envolvidos e os comprometidos.
MÍNIMO:

O menor dedo que representa os medrosos e complexados precisam ler Mc 8.38 exemplo bíblico é José de Arimateia que era discípulo oculto por medo. Só participou do sepultamento de Jesus. Era rico (Mt 27.57) e medroso (Jo 19.38).
Meu irmão, dentre os cinco dedos onde você se situa?
Bem, quem sabe você seja "a mão". Mantém todos os dedos e os faz trabalharem para o bem comum.

sexta-feira, 20 de julho de 2018

HOMO SAPIENS - Valdo Brito


Esta é uma expressão latina que significa “um ser inteligente” e refere-se a nós os humanos que pela inteligência e autoridade dadas por Deus dominamos sobre todos os seres vivos e sobre tudo o que Deus criou.
Que é um ser vivo?
A menor partícula viva chama-se célula que é formada de moléculas (menor partícula da matéria) unidas e protegidas por uma energia chamada vital. Ser vivo significa que respira, absorve e elimina substancias e se reproduz. Quando um dos fatores acima se altera para mais ou para menos a energia se desprende sobrando só matéria e morte.
O Homo sapiens é formado por células que formam órgãos, sistemas, tecidos, etc., sendo a parte mais nobre do corpo o cérebro.
Tricotomista: dizemos que o ser humano é formado por três elementos distintos em um só. Os três são inseparáveis: corpo, alma e espirito. Corpo: é só matéria. É uma vestimenta dentro da qual moram a alma e o espirito.
Alma: É de difícil definição por ser um espirito, trata-se de um mistério que coordena todo o nosso ser predominando suas funções no cérebro. O cérebro ao receber energia como audição, visão, tato e outras que entram pelas janela do corpo que são os cinco sentidos, a alma excita órgãos que reagem emitindo substancias ou energia. Alma é o Eu.
Espirito humano: Trata-se de outro mistério ainda inexplicável pelo ser humano. Sabemos que o nosso espirito liga-se à alma dando a esta eternidade e relações com forças espirituais que atuam para o bem ou para o mau.
Espirito Santo: Quando um ser humano pela fé aceita a salvação por meio de Cristo, o Espirito Santo sela o homem para o dia da redenção, vem morar em nós e nesse ponto deixamos de ser só tricotomos, pois teremos (só os cristãos) corpo, alma, espirito humano e Espírito Divino.
O Espirito Santo intensifica para o bem os dons nativos existentes em nós que passam a serem denominados dons carismáticos.
– Quem é você? O que predomina na personalidade?
Em acordo com a maneira como nosso corpo, alma e espirito reagem por ação da alma podemos classificar o ser humano como Homem Carnal ou Somático são inclinados para coisas da carne como beber, comer, dormir, sexo, etc.
Homem racional são inclinados para as coisas do cérebro como estudo, conceitos, invenções, etc.
Homem espiritual são inclinados para oração, meditação, milagres, visões, etc.
Claro que estes assuntos ficarão para outra ocasião.
Homem carnal ou somático – predomina amor.
Homem racional – predomina o amor filo
Homem espiritual – predomina o amor ágape.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

INIQUIDADE x PECADO - Valdo Brito



Embora nos dicionários e mesmo nas Bíblia estes dois termos são considerados sinônimos não são a mesma coisa, são conceitos diferentes.
Vamos à explicação:

INIQUIDADE: É a maldade que está dentro de nós como a perversidade, depravação, invejas, rancores, etc. A iniquidade é que nos leva a pecar.

PECADO: É errar o alvo. Enquanto a iniquidade é interna, leva ao pecado que leva ao ato externo que pode ser praticado por palavras e ações. A inveja é iniquidade, mas roubar por inveja é pecado.

Por favor, diga-me onde começou?

Por incrível que pareça começou no céu e de forma semelhante foi na terra.

O Diabo (Lúcifer) era anjo privilegiado até quando se achou nele a iniquidade (Ez. 18.15). Iniquidade era a soberba. O querer ser igual a Deus que o levou ao pecado da transgressão (desobedecer a uma lei) e por consequência ser expulso do céu. Na terra a mesma sequencia.

A iniquidade em Eva induzida pelo Diabo levou à soberba e esta à transgressão da lei e consequente expulsão do Édem
― Se diferentes são, qual o tratamento?

Para a iniquidade cura interior com libertação do malígno, intercessão, jejuns, acompanhamento.
Para o pecado: convicção, arrependimento, confissão e solicitar e aceitar o perdão.

―Por favor! Quero exemplos Bíblicos.
Davi no Salmo 32.5 disse: Confessei o meu pecado e não encobri minha maldade.
Izaias cap. 6.7: a iniquidade foi tirada e o meu pecado foi perdoado.


"Já é muito difícil pedir perdão por um pecado. Mais difícil ainda é reconhecer a origem do pecado".

quarta-feira, 4 de julho de 2018

AMOR

Não seria tão bom se o amor fosse como a fila numa cafeteria? Opções sem fim para decidir e escolher o que você quer. Mas não seria amor! A Escritura diz “O amor… Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta” (1 Coríntios 13:4-7 NVI).
Mas, como podemos amar aqueles que são difíceis de amar? Tal amor não é fácil. Nem era para Jesus. “Ó geração incrédula, até quando estarei com vocês? Até quando terei que suportá-los?” (Marcos 9:19 NVI). Sabendo que Jesus fez este tipo de indagação nos conforta. Mas ouvir como ele respondeu vai nos mudar. Até quando? Até que cada pecado encharque minha alma sem pecado para que o céu se afaste em horror, até que meus lábios inchados pronunciem a transação final: “Está consumado!” 
O amor sempre protege! (1 Coríntios 13:6-7). Nós nos escondemos; Deus procura. Nós trazemos pecado; Ele traz um sacrifício. Nós tentamos folhas de figueira; Ele traz um manto de justiça. E cabe a nós cantar o cântico do profeta “ele me vestiu com as vestes da salvação e sobre mim pôs o manto da justiça, qual noivo que adorna a cabeça como um sacerdote, qual noiva que se enfeita com joias.” (Isaías 61:10 NVI).
Você tem um manto de amor? Você conhece alguém que está precisando? Quando você cobre alguém com cuidado, você está cumprindo o que Paulo tinha em mente quando ele escreveu a frase “o amor tudo suporta”. A raiz da palavra traduzida como “suporta” significa “cobrir ou esconder.” Suportar transmite a ideia de cobrir com um manto de amor; cobrir com encorajamento; cobrir com tenro cuidado. Já pensou em seu Criador como alfaiate? Ele lhe deu o seu manto mais fino de amor!

sexta-feira, 20 de abril de 2018

O encontro concluído na Cruz - Paulo Cilas

   

"O chamado começa com um encontro maravilhoso e termina na Cruz".

Paulo, mesmo depois da Cruz, teve de conhecer o sofrimento "dela" . 

Somente compreendendo isso vencemos o mal.


Na Cruz: 
Nossa timidez se encontra com quem não fez caso da vergonha.
Nossa culpa se depara com o castigo Nele.
Nossa desonestidade encontra a honestidade de Cristo.
Nossa raiva, mágoas, etc encontram perdão irrestrito para todos.
Nossa rebeldia encontra a obediência.
Nossa nudez fácil, indecorosa encontra a nudez do Cristo que se humilha para nos honrar.


Só João ficou na Cruz vendo O Cristo morrer. Mas todos os demais foram achados por ela. E morreram por ela.


Não há salvação sem Cruz. Não há vida Cristã sem Cruz.

Hoje muitos querem viver como que no trono ou diante dele.
Sabemos que Jesus está no trono, mas, por enquanto, a nossa vida aqui precisa estar e permanecer ao pé da Cruz.
 
Só os que vivem ao pé da Cruz saberão viver junto ao Trono.

quinta-feira, 8 de março de 2018

Jesus consolador - Zack Eswine

O texto abaixo foi extraído do livro A Depressão de Spurgeon, de Zack Eswine, da Editora Fiel.
“É um consolo indizível que nosso Senhor Jesus conheça essa experiência”
Na obra O Demônio do Meio-dia: Uma Anatomia da Depressão, Andrew Solomon, que não professa seguir Jesus, observa que “mesmo as pessoas que se apoiam em uma fé que lhes promete uma existência diferente no além não podem evitar a angústia neste mundo”. O autor relembra que o próprio Cristo foi um “homem de dores”.
Esta designação “homem de dores” vem de Isaías 53.3, quando o profeta do Antigo Testamento descreve o prometido de Deus. Charles testemunhava regularmente sobre a força abençoadora que o relacionamento com Jesus, enquanto homem de dores, lhe proporcionou:
Pessoalmente, eu também trago o testemunho de que foi para mim, em épocas de grande dor, espantosamente confortável saber que em cada pontada que aflige seu povo o Senhor Jesus igualmente possui identificação com o sentimento. Não estamos sozinhos, pois aquele “semelhante ao filho do homem” caminha conosco na fornalha de fogo ardente.
A “identificação com o sentimento” (fellow-feeling) que os sofredores encontram na visão mais ampla de Jesus inclui aqueles que sofrem de depressão. Os cristãos estão acostumados a serem estudantes da Cruz. Não obstante, Charles convida os doentes a encontrar o socorro do nosso Salvador no Jardim do Getsêmani.
Esse “jardim de tristeza” se torna para Charles uma imagem da “depressão mental” de Jesus. “A dor corporal deve nos ajudar a entender a cruz”, mas “a depressão mental deveria nos fazer aptos estudiosos do Getsêmani”, diz ele. “Ao lado de seu sacrifício, a simpatia de Jesus consiste na próxima coisa mais preciosa”. Faz bem aos auxiliadores tomarem conhecimento disso.
Então, quando o livro de Hebreus, no Novo Testamento, diz que Jesus é aquele que “foi tentado em todas as coisas, à nossa semelhança” e que “naquilo que ele mesmo sofreu, tendo sido tentado, é poderoso para socorrer os que são tentados” (Hb 4.15; 2.18), Charles prontamente postula que essa simpatia ou compaixão de Jesus inclui não só nossa fraqueza física, mas também nossa “depressão mental”.
O resultado? Aqueles que sofrem de depressão podem encontrar um lugar para descansar na experiência de vida de Jesus. “Quão completamente é removida a amargura da tristeza”, explica Charles, ao “saber que ela fora, outrora, sofrida por Cristo”.
Por isso, mesmo quando nos tornamos insensíveis aos teólogos de plantão, cuja fé não é realista ou que não sabem nada do que vivenciamos, não precisamos ignorar Jesus. Pelo contrário, se procuramos por alguém, qualquer que seja, para saber o que significa caminhar em nossos sapatos, Jesus emerge como a mais proeminente e verdadeira companhia para as nossas aflições. A esperança realista é algo saturado de Jesus. Aqueles que sofrem de depressão têm um aliado, um herói, um companheiro-redentor e que advoga em prol do mentalmente assediado.

terça-feira, 27 de fevereiro de 2018

MÁRTIRES DIÁRIOS - Brennan Manning


Nesse momento de minha própria lenda pessoal, o martírio parece não exigir uma marcha por cristo até os leões nem levar Jesus ao Zaire ou à Nicarágua como missionário. O chamado que ouço bem dentro de mim é para revelar seu amor perdoador àqueles que pecaram contra mim. Custa muito orar “Seja feita a tua vontade”: morte ao velho homem, superando rancores e ressentimentos de muito tempo, transcendendo lembranças amargas e hostilidades justificáveis, alcançando em reconciliação aqueles que me rejeitaram, me depauperaram e me arruinaram.
Talvez seja por isso que as únicas quatro vezes que “Seja feita a tua vontade” ocorre no Novo Testamento são no contexto de martírio. Quanto mais velho eu fico, mais percebo a verdade do adágio: “É mais fácil morrer por Cristo que viver para ele”.
De fato, na iminência da morte pode ser que tenhamos o brio de uma confirmação de fé. Ou pode ser que por medo ( do inferno)também o façamos.
Viver por Cristo requer abnegação, perder para ganhar, andar milhas a mais, humilhar-se.
Sim, muitos vezes é um martírio do "eu".

CINCO DEDOS

Esta é uma analogia na qual vamos comparar cada dedo das mãos com cinco personagens bíblicos que estiveram com Jesus, receberam mensagem ...