quarta-feira, 8 de novembro de 2017

A Pedra Rolou - Paulo Cilas

Ao amanhecer o primeiro dia da semana, estando ainda meio escuro, Maria Madalena foi ao sepulcro e viu que a pedra que fechava a entrada havia sido removida Jo 20:1


Depois de ter constatado que a pedra tinha sido removida Madalena foi contar aos outros. Pedro entra primeiro no sepulcro agora vazio. Jesus não está lá.

Por muito tempo achei que a pedra havia sido tirada para Jesus sair, mas um dia me ocorreu que a pedra rolou para que Pedro e os demais entrassem e percebessem que a morte foi vencida
.
Ora, se pedra tivesse permanecida no lugar, mesmo Jesus tendo aparecido após sua ressurreição, sobrariam muitas dúvidas. Até porque anteriormente já se havia duvidado Dele:

E os discípulos, vendo-o andando sobre o mar assustaram-se dizendo: É um fantasma. E gritaram com medo.
Mateus 14:26

Sim, após sua ressurreição nem pedra e nem nenhum outro obstáculo O impediriam mais. Por isso "a porta  da morte foi aberta para que os outros entrassem. Madalena perderia a perspectiva de uma nova vida recém recebida. Ela e os demais não teriam a certeza de que a morte foi vencida.
Nesta vida vida, quando nos sentirmos desesperançados, sem perspectiva, olhemos para o "lugar da morte vazio". Assim como Ele saiu da morte nós também sairemos. Assim como Ele venceu nós também venceremos!

Se desse modo fomos unidos a Ele na semelhança da sua morte, com toda a certeza o seremos também na semelhança da sua ressurreição. Rm 6:5

A Pedra Rolou!





quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Independência ou Morte - Paulo Cilas

 
Há um outro brado definitivamente melhor  do que o do Ipiranga. É o brado de Cristo na cruz: "Está consumado!" Esse é o verdadeiro brado da independência. Enquanto as "independências" daqui  nos tornam  dependentes e a merce de nossos pecados e dos pecados de homens que deliberam sobre nossas vidas - vide o Brasil e o mundo -   a independência que temos em  Cristo  nos liberta plenamente.

Não dependemos de nossas obras para sermos salvos. A nossa salvação da morte eterna  é obra da Graça de Jesus.

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
Efésios 2:8

Não dependemos mais de não sermos acusados.

Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica Rm. 8. 33

Não temos medo da condenação.

Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.
Romanos 8:1

Não dependemos de sacrifícios. 

Porque também Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; mortificado, na verdade, na carne, mas vivificado pelo Espírito;
1 Pedro 3:18

...que não necessita, como os sumos sacerdotes, de oferecer cada dia sacrifícios, primeiramente por seus próprios pecados, e depois pelos do povo; porque isto fez ele, uma vez por todas, quando se 
ofereceu a si mesmo Hb. 7.27  

Não dependemos de nós mesmos para sermos ressuscitados ou transformados.

 E, se o Espírito daquele que ressuscitou Jesus dentre os mortos habita em vocês, aquele que ressuscitou a Cristo dentre os mortos também dará vida a seus corpos mortais, por meio do seu Espírito, que habita em vocês
Romanos 8:11

Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com ele.
Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.
Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.

1 Tessalonicenses 4:14-17


Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres Jo 8.36.
  
Não, não foi às margens do Ipiranga que se deu nossa libertação: Mas na Cruz do Calvário!


Independência ou Morte!















quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Armadura da Paz - Paulo Cilas

Neste breve ensaio sobre a Armadura de Deus - Efésios 6. 10-17 - me deterei em um de seus itens que só agora me chamou de forma definitiva a atenção. Mas antes de comentá-lo, vamos a alguns pontos sobejamente comentados:

1- Revestir de toda a Armadura. Não apenas de alguns itens. Parece-me que ainda que tenha muita fé mas não desenvolva a justiça, estarei em algum momento sujeito a alguma derrota, ou, pelo menos, a algum abalo ou, ainda, alguma dificuldade na caminhada.

2- Resistir no dia mau e permanecer firme. Não adianta somente vencer se depois de tudo pouco ou nada de mim restar. Quantos há que se esgotaram totalmente depois de batalhas. A promessa de renovação de forças parece não encontrar lugar em suas vidas.

3- A luta não é contra a carne e sangue. Quanto tempo perdemos com questões da carne. Quantos embates? Quantas guerras entre nós? Quanto ódio? Quanta falta de perdão? Enquanto isso o adversá-rio faz em nosso meio seu "parque de diversões".

4- Antes de qualquer outro acessório, a verdade. A roupa vestida primeiro é fundamental para o bom funcionamento da armadura. Na Armadura de Deus  essa roupa é a Verdade. Toda a verdade, não apenas fragmentos dela. Quem não ama a verdade jamais manejará bem a Armadura.

Mas, agora, vou me permitir não comentar sobre a Couraça da Justiça, o Escudo da Fé, o Capacete da Salvação e a Espada do Espírito. Não por serem menos impontantes. Como disse acima todos os elementos da Armadura o são. Entretanto quero me deter no calçado. Os pés são a base e o que calçamos é de vital importância. Experimente andar com um calçado muito folgado. Ou muito apertado. Ou ainda impróprio como um "salto alto agulha" em paralelepípedo. Pois bem, na Armadura de Deus o nosso calçado - nossa base - é o "Evangelho da Paz"!
Embora "armadura" nos faça pensar em guerra a nossa base, sobre a qual todo o mais é assentado, precisa urgentemente ser A Paz. Jesus é o Príncipe da Paz. "Curiosamente" você não verá na Bíblia Jesus lutando.
Muitas vezes nos indignamos com pessoas e situações desse mundo, mas não podemos perder a Paz.
As imundícies, as pessoas más e seus ardis não devem roubá-la de nós.
Devemos denunciar o engano, os falsos profetas, os interesses maliciosos do mundo e do seu comandante. Mas não podemos perder a Paz. Olhar o pecador que nos afronta sem nos deixar consumir pelo desejo de vingança. "Minha é a vingança, diz O Senhor"!
Há muitos textos sobre A Paz. Tente lembrar ou tente conhecê-los. E não se esqueça: A Paz é a base da nossa Armadura.
A Paz do Senhor!  

terça-feira, 8 de agosto de 2017

BRASA - Autoria desconhecida

“Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas encorajemo-nos uns aos outros, ainda mais quando vocês vêem que se aproxima o Dia” (Hebreus 10:25).



Um membro ativo de uma determinado igreja, sem nenhum aviso deixou de participar dos cultos e das atividades da igreja.
Após algumas semanas, o pastor daquela igreja decidiu visitá-lo. Era uma noite muito fria.

O pastor encontrou o homem em casa sozinho, sentado diante da lareira, onde ardia um fogo brilhante e acolhedor.

Adivinhando a razão da visita, o homem deu as boas-vindas ao pastor, conduziu-o a uma grande cadeira perto da lareira e ficou quieto, esperando.

O pastor acomodou-se confortavelmente no local indicado, mas não disse nada.

No silêncio sério que se formara, apenas contemplava a dança das chamas em torno das achas de lenha, que ardiam.

Ao cabo de alguns minutos, o pastor examinou as brasas que se formaram e cuidadosamente selecionou uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a para o lado. Voltou então a sentar-se, permanecendo silencioso e imóvel.

O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado e quieto. Aos poucos a chama da brasa solitária diminuía, até que houve um brilho momentâneo e seu fogo apagou-se de vez.

Em pouco tempo o que antes era uma festa de calor e luz, agora não passava de um negro, frio e morto pedaço de carvão recoberto de uma espessa camada de cinzas.

Nenhuma palavra tinha sido dita desde o protocolar cumprimento inicial entre os dois amigos.

O pastor, antes de se preparar para sair, manipulou novamente o carvão frio e inútil, colocando-o de volta no meio do fogo.
Quase que imediatamente ele tornou a incandescer, alimentado pela luz e calor dos carvões ardentes em torno dele.

Quando o pastor alcançou a porta para partir, seu anfitrião disse:

- Obrigado pastor! Por sua visita e pelo belíssimo sermão. Estou voltando ao convívio do grupo. Deus te abençoe!

Aos membros da igreja vale lembrar que eles fazem parte da chama e que longe dos irmãos eles perdem todo o brilho. Aos líderes vale lembrar que eles são responsáveis por manter acesa a chama de cada um e por promover a união entre todos os membros, para que o fogo seja realmente forte, eficaz e duradouro. 

sexta-feira, 30 de junho de 2017

CAÍDO - Paulo Cilas



Certa vez levantei-me publicamente contra um ensinamento de "conquista do Brasil", que declarava ter sido um ato profético de D. João VI o envio de Pedro Álvares Cabral e a escolha do nome de Santa Cruz e Vera Cruz para a terra recém-descoberta. Não quero me deter nessa sandice, até porque o seu idealizador continua a inventar mil e uma outras. E até hoje, apesar de divisões e rachas e mais loucuras megalomaníacas, são muitos que por ingenuidade ou interesses escusos ainda lhe dão ouvidos. E dão ouvidos a outros com mensagens igualmente estranhas.
O quero dizer mesmo é que, diante da minha posição contrária, alguém disse a um membro de onde me reúno que eu deveria tomar cuidado com as críticas porque poderia "cair"um dia! Era um pastor dizendo isto. Traduzindo, mesmo não concordando deveria eu ficar calado porque sou pecador iminente.
De fato, quando entramos em algum "turbilhão", devemos saber se temos escopo -não ter telhado de vidro - para não sermos flagrados em hipocrisias e incoerências. Dai em diante aprendi algumas coisas importantes: 

NÃO QUERO SER INCOERENTE E NEM HIPÓCRITA COM A PALAVRA DE DEUS. Por decisão, não por mérito, decido não usar A BÍBLIA em benefício próprio. Decido não ficar aquém e também não ir além do que ela realmente diz. Decido não querer conhecer somente o que está escrito, mas , também, o espírito do que está escrito. Decido não dizer que tenho uma revelação, ministério, visão, nova unção ou qualquer coisa que se diga especial ou mais espiritual pois: "Havendo Deus falado muitas vezes e de muitas maneiras aos pais pelos profetas, a nós falou-nos nestes últimos dias pelo Filho, a quem constituiu herdeiro de tudo..." Pois bem, agora não existe mais nada a ser dito, sacrificado, revelado. Resta-nos dar ouvidos às PALAVRAS DO SENHOR que nos são “lembradas” pelo ESPÍRITO SANTO. Há AS BOAS NOVAS (EVANGELHO) a serem anunciadas. 
As conquistas serão de vidas rendidas a CRISTO e não à minha igreja ou visão. A conquista será O REINO DE DEUS dentro do homem como JESUS afirma e não a conquista dos bens terrenos que só engrandecem aos homens e que despertam o que de pior existe:
soberba, vaidades, orgulhos e tantos outros sinônimos possíveis e imagináveis.

DECIDO QUE SOU PECADOR CAÍDO! E só não digo que sou o principal porque o outro Paulo chegou na frente. Tenho um verme dentro de mim, pegando emprestado a afirmação de Larry Crabb no livro "Chega de Regras". E só eu e DEUS sabemos o tamanho desse verme.
E, assim, sabendo quem sou e do que sou capaz de fazer em minha maldade e fraquezas, não posso me dar ao luxo de distorcer a única mensagem que conseguiu e consegue me redimir.
Portanto, já não posso cair. Já sou caído desde o ventre de minha mãe como Davi. Acreditem! Até o bem que quero fazer não faço. E o mal,então? Este, só chorando ao PÉ DA CRUZ. Só pela CRUZ eu tive chance de ser perdoado e nela continuo a derramar minha alma até o dia em que o corruptível(eu) der lugar ao incorruptível.
Não!! Não sou advogado de JESUS e de seu EVANGELHO. Sou testemunha DELES e nenhuma mensagem enganosa, nenhum devaneio de homens vaidosos e ardilosos, nem mesmo a insensatez ainda que ingênua ou simplista de qualquer pregador imprudente e muito, muito menos meu estado de total dependência DA GRAÇA E MISERICÓRDIA DO SENHOR por ser quem eu sou me calarão.
"SEJA DEUS SEMPRE DEUS VERDADEIRO, E TODO O HOMEM MENTIROSO..." Como disse o apóstolo Paulo. Aquele vendido pelo pecado, o miserável homem. Aquele mesmo que se gloriava na sua fraqueza pois era assim que se via forte. E dizia não ter alcançado coisa alguma mas que prosseguia para o alvo. E, em recebendo algum louvor jamais se gloriava a não ser na CRUZ DE CRISTO e até repreendia espírito de adivinhação que dizia ser ele, Paulo, servo do DEUS altíssimo. Ou seja, O APÓSTOLO PAULO que jamais seria como os "apóstolos" atuais. Primeiro porque esses não o receberiam por estar fora da visão. Segundo, porque ele não comungaria com gente que tem como deus o próprio ventre!


quarta-feira, 28 de junho de 2017

O direito de ir e o privilégio da roupa nova - Paulo Cilas


Em Lc.15. 11 começa a narrativa do famoso e muito citado filho pródigo que reivindica o direito de fazer o que quiser da sua vida. O Pai permite que ele assim o faça. E eis uma dificuldade nossa em entender e aceitar isso: As pessoas mesmo dentro da igreja têm direito de fazer o que quiserem de suas vidas. Tentamos cercar de todas as maneiras os "nossos" para que não exerçam tal direito. Ameaçamos!
Pois bem, foi a "ida" livremente que o fez voltar arrependido. Totalmente arrependido, sem colocar culpa em outro, sem dividir responsabilidade com quer que fosse.
Agora, retornando humilde, recebe do Pai roupas novas. Sim, filho recebe roupa e anel de filho, não de indigente.
Mas repare, na presença do Pai não há como permanecer com vestes erradas. Não é opcional o figurino.
Vou para Mt. 22.1-11 e encontramos a parábola das bodas, também muito conhecida. Convidados que desdenham o convite e outro que são instados a entrar na festa. E lá estão quando O Senhor percebe alguém sem vestes próprias. Esse é expulso.
Não há como está na Casa do Pai sem as vestes que Ela dá.
O homem tem "direito" de fazer o quiser, mas mesmo os convidados  só permanecem se estiverem com vestes próprias. Agora não há liberdade de ir e vir como o pródigo teve. O homem achado com vestes impróprias foi amarrado e lançado nas trevas exteriores. Passagem só de ida!

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Lar e Lugar - Paulo Cilas

O Eterno pensou em um lar para o homem, não apenas um lugar. O Edem - que é jardim fechado = Paraíso consistia em conversa ao fim do dia,  nomeação de animais, descobertas da convivência,etc. Enfim, tudo que reproduzia o recôndito de um lar.

Mas o homem peca. Ao  lugar de vida - Paraíso- não pode mais ter acesso. Agora espalha- se por lugares inóspitos. Qualquer lugar!

No plano de Deus de trazer o homem de volta ao Lar Jesus  é a "figura central". E Ele afirma que o Reino está dentro de nós. Ou seja, antes de voltarmos ao Lar os princípios do lar devem prevalecer em nós.

Daí o perigo do pecado. Somos pecadores corruptíveis na carne, contudo sem sermos escravos dele.
mas se amamos o pecado expulsamos os "princípios do REINO-LAR  de dentro de nós. Continuamos indo para qualquer lugar. Inclusive inferno como conexão ao lago de fogo, que é a segunda morte.

Por quê não amar o mundo? Porque ele é dominado pelo maligno e seu o príncipe tenta convencer o homem a amar os lugares enganosos. Entretanto basta uma olhadela rápida, porém sincera, para perceber que todos os lugares estão contaminados. Só o Reino dentro de nós que não.

"Na casa de meu  Pai há muitas moradas"! Nessa afirmação Jesus - O Restaurador do REINO-LAR-
nos garante acesso futuro a um novo Paraíso.

"Vou prepara lugar"! Como advogado, como sacerdote Ele vai trabalhando junto ao Pai para que nossa presença, isto é ,  a presença das daqueles que mantiveram os "princípios" em seus corações, esteja garantida.

"Para que aonde eu estiver vocês estejam também"! Ele voltou para o Pai - conversa face a face, presença real,etc. E nos quer junto dele, em torno da mesa, no bate papo de uma caminhada, nas explicações e entendimentos definitivos das coisas da vida. Resumindo, tudo, absolutamente tudo que só existe em um lar, não em qualquer lugar.

A Pedra Rolou - Paulo Cilas

Ao amanhecer o primeiro dia da semana, estando ainda meio escuro, Maria Madalena foi ao sepulcro e viu que a pedra que fechava a entrada h...