quarta-feira, 3 de novembro de 2010

AVE, MARIA E JOÃO! - POR PAULO CILAS



Em 1985, numa igreja em que eu atuava no Rio, me ocorreu que jamais tinha ouvido uma mensagem sobre Maria. E não era questão de machismo e discriminação com as mulheres, pois sobre Rute e Ester, Noemi, Lóide, Priscila, Lídia e outras, eu já tinha ouvido muitas vezes. Às vezes, até me perguntava de onde tiravam tantos argumentos para falar da avó e da mãe de Timóteo, já que foram pouco citadas. Mas, de Maria, nada.

Então, ousei naquele ano pregar uma mensagem sobre ela. Fiquei meio preocupado de como seria a aceitação daqueles que me ouviriam pois, se uns tiraram a humanidade de Maria colocando-a como ídolo – Rainha coroada no céu -, outros, por causa do ídolo, desqualificavam a pessoa, a mulher mãe de Jesus. Em Lucas 1: 48, 49 provavelmente Maria faz uso de um cântico conhecido e acrescenta sua pessoalidade: De como o Senhor atentou para a “pequenez de sua serva” e daquele momento em diante ela seria “chamada de bem aventurada”.

Na elaboração do sermão, fiquei pensando no que Maria viveu desde a anunciação até o nascimento de Jesus. Imediatamente ela perderia o futuro marido não fosse a intervenção divina. Num exercício de imaginação vislumbrei a turma da matemática (a turma que fica fazendo a conta do dia do casamento e o tempo do nascimento da criança) em possíveis piadinhas ou rejeição. Sem contar os enjôos naturais a qualquer gravidez. Pensei ainda, acima de tudo, na responsabilidade que toda mãe decente teria e que no caso de Maria se tornou maior ainda. Em algum momento chamaria até de fardo pois ela não poderia falhar na segurança daquele neném, que mesmo sendo Deus encarnado, dependia integralmente dos cuidados maternos.
Contudo, Maria além de não “abortar” Jesus de sua vida também não usou aquela circunstância para vantagens pessoais e honrarias impostas.
Maria ganhou em mim um admirador. Alguém que, verdadeiramente e sem reservas, a tem como bem aventurada.

Muitos anos depois fui chamado à atenção para João Batista. Como foi para ele viver afastado de tudo, talvez não tendo nem mesmo escolha de ser outra coisa na vida senão aquilo para o qual foi ungido desde o ventre abrindo mão da vontade própria? E, depois, tendo seguidores e sendo honrados por esses, simplesmente ao ver Jesus diz: “Agora vocês seguirão a Ele, porque eu não sou digno de desatar as suas sandálias. O que importa mesmo é que Ele cresça e eu diminua”.
.
Que exemplo desses dois! De entrega e renúncia. A postura de ambos é para mim como soco no estômago. Meu Deus, quantas vezes reivindiquei coisas, honras, respeito. E penso que se Maria e João fossem mais apercebidos, pregadores e líderes (?) se tornariam mais humildes, não ditariam tantas mensagens e tantas diretrizes no nome do Senhor, não profetizariam tantas conquistas. Todos se calariam mais. Jamais pediriam dinheiro, carro, e até mesmo avião “para fazer a obra do Senhor”. Tornaríamos-nos mais servos e jamais senhores de qualquer coisa. E, em recebendo coisas, seriamos tão somente gratos julgando-nos não merecedores.

Maria e João. Ave! (saudação de honra). Dele, preso e decapitado, Jesus diz: “Dos nascidos de mulher, ninguém foi maior”. Dela, aprendi a dizer eu mesmo: Enquanto muitos se exaltam, se portam como se tivessem o rei na barriga, ela se humilhou, adorou a Deus. E, verdadeiramente, teve o Rei na barriga.

SALVOS PRA SERVIR - Pb. Valdo Brito

A noite vai adiantada, o grande dia está próximo, temos que nos despir das obras das trevas e nos revestir das armas da luz. Não...