terça-feira, 23 de dezembro de 2014

NÃO HÁ LUGAR - PAULO CILAS



A primeira do hino de autoria de E. Grace Updegraff diz assim:

                       Não teve um palácio no mundo o Senhor,
                        Nem honras lhe deram de Rei Salvador;
                       Mas a manjedoura só pode encontrar;
                       Porque não havia mais outro lugar.

Bem, essa  primeira estrofe  contradiz o que por muito tempo pensava ou fui levado a pensar. Sempre tive a ideia que Jose e Maria, pronta a dar a luz a Jesus, eram rejeitados nos lugares em que chegavam. Ninguém queria hospedá-los e ponto. Simples assim: Jesus nasce numa manjedoura porque foi rejeitado pelos donos das estalagens, os hotéis de hoje. Não me lembro quando, mas sei que um dia tudo se clareou. Não havia rejeição, o que não havia era lugar. São coisas bem distintas, mas igualmente perturbadoras. Ainda hoje, a maioria não rejeita a Jesus, mas também não dá lugar a Ele. E o pior é que se enganam, pois não sendo “culpados” de rejeição, se acomodam sem se importar de não ter a presença do Cristo.
Jesus é chamado de “O Verbo” e sabemos que verbo é a palavra em ação, logo, receber a Jesus é receber a ação de Deus. É uma palavra viva que nos levanta quando caídos, nos perdoa quando em pecado, nos consola quando aflitos, nos dá esperança quando todas as expectativas se vão. E principalmente nos projeta para a vida quando sem Ele o que nos espera é só a morte. Não receber a Jesus é ficar sem todas essas ações do Verbo Vivo.
Lamentavelmente é que até mesmo a igreja tem deixado Jesus do lado de fora de seus "muros e suas paredes", como é o caso da Igreja de Laodicéia. Nem fria nem quente, que se acha rica e abastada, autossuficiente em si mesma. Mas não consegue enxergar a sua própria miséria. 
Principalmente nos dias de hoje enxergamos muitas igrejas que pensam (ou não pensam)que  se tornaram maior que seu Senhor, e em nome de novos ritos e revelações desprezam a simplicidade do Senhor da Igreja.
De uns anos para cá, muitos aboliram a comemoração do natal, em nome de uma "espiritualidade radical", abandonando a alegria em torno de uma mesa, como Jesus faria. Ou de um presente a uma criança carente. Sem contar a oportunidade de falar a muitos que nasceu o Redentor. Apegam-se a datas (sabemos que Jesus não nasceu nessa data,25 dezembro), mas para nós não importa. O que importa é que Ele nasceu, o Verbo se fez carne e purifica aquilo que tínhamos por impuro . 
Se o "mundo" está ocupado demais para dar lugar a  Ele, que Ele tenha lugar nas igrejas. Jesus está  à porta dessas Igrejas, batendo, esperando que alguém a abra e Ele possa cear com eles. E o mundo ganhará mais uma chance de conhecê-lo e também recebê-lo.
O hino citado acima diz assim em seu  coro:
                             “ Não há lugar pra Cristo em Tua vida ou lar?
                              Terás então que ouvir dizer: No céu não tens lugar”.

XÔ, TRISTEZA! - Pb. Valdo Brito

                                                        Se na vida você tem tido baixa estima, depressão, frieza espiritual, complicaç...